Namoro namoro sims diretos

Leve seus Sims para um encontro romântico na atualização mais recente do FreePlay, onde você pode: • Desbloquear um restaurante glamouroso ao concluir o evento ao vivo de refeições requintadas • Corrida contra Sims rivais em divertidos desafios diários para ganhar uma decoração extravagante de cozinha e banheiro quando SimChase retorna com duas novas temporadas para inspirar suas ... 3 – Counter-Strike 1.6. Counter-Strike (CS) é um jogo eletrônico de tiro em primeira pessoa muito popular em todo o mundo. Era um mod de Half-Life para jogos online, criado por Minh Le e Jess Cliffe, depois vendido à Valve Corporation.. CS foi lançado em 1999, mas foi em 2000 que ele começou a ser comercializado, um tempo depois foram desenvolvidas as versões para as plataformas: Xbox ... Estudos prévios revelam que silenciar-se e retirar-se de situações de conflito com o parceiro está entre as formas negativas de comunicação, predizendo vitimização por violência no namoro ... 最もエロい日本人女がここにはいる 10 - JavHD.net - 12 mins Lady Gaga, que usou colar de US$ 30 milhões no tapete vermelho do Oscar 2019, também emocionou no palco da premiação. Gaga cantou Shallow ao lado de Bradley Copper, música que faz parte da ... Meghan Markle, que encantou a todos em sua aparição surpresa no British Fashion Awards 2018, parece estar passando problemas com sua equipe na realeza.Tanto que recentemente a nova assistente de ... So, what is NaNoWriMo? NaNoWriMo is a 501(c)(3) nonprofit organization that provides tools, structure, community, and encouragement to help people find their voices, achieve creative goals, and build new worlds — on and off the page.. NaNoWriMo believes in the transformational power of creativity. The Sims 4: Crie seus personagens em novo demo do jogo. Por. Portal Ligação Teen - 13/08/2014 ... Tenha em suas mãos o poder de criar mundos! Crie e compartilhe mundos novos e exclusivos com a Ferramenta Criar um Mundo The Sims™ 3 - BETA. Faça o download grátis e assuma o papel da equipe de desenvolvimento do The Sims 3, utilizando as mesmas ferramentas que ela para criar mundos e cidades em The Sims 3. Diferente do The Sims 3, não há nenhuma opção no jogo para desligar estes tutoriais no The Sims 4, mas nós demos um jeito facinho e te ensinamos.

Eu falei o que não devia e não consigo me perdoar

2020.09.14 11:38 LupusParsec Eu falei o que não devia e não consigo me perdoar

!!! ALERTA DE CONTEÚDO SENSÍVEL E PARCIALMENTE PESADO !!!
Bom, eu queria falar sobre muitas outras coisas que envolvem a situação desse meu post, tais como a minha depressão, minha síndrome de azperger, minha ansiedade, meu jeito de ser, falar, pensar etc. Mas isso faria muita firula e esse post teria um tamanho bíblico, então tentarei ser breve e direto, mas tenham em mente que essas minhas características acima.
Bom, eu tenho 21 anos e passo por uma situação bem complicada atualmente (como vocês podem imaginar). Mas eu agora gostaria apenas que vocês me dissessem: o quê eu posso fazer para me perdoar? "Perdoar do quê", vcs se perguntam? Bem, disso aqui:
Resumindo, eu entrei num assunto delicado com um amigo que fiz recentemente, mas ele se revoltou (porque era um assunto polêmico e muito delicado) e provavelmente ele me entendeu errado e agora tenho medo de perdê-lo, já que ele foi bem acolhedor comigo e praticamente não tenho mais ninguém e estou sem esperanças. Eu fui muito ingênuo e inocente achando que eu poderia sair falando de um assunto assim com qualquer um que iria ser de boas. Eu não levo jeito pra socializar e vendo como o mundo está hoje, eu pretendo nunca mais expor minhas opiniões para os outros. Quero apenas absorver, raciocinar e tirar minhas próprias conclusões. Sim, isso praticamente acabou de acontecer (há mais ou menos umas duas horas). Eu já tentei me desculpar, mas não sei se ele vai ver as mensagens.
Agora, por favor, me ajudem a tentar superar isso. Me digam algo que eu possa fazer ou pensar pra parar de me sentir assim tão mal.
OBS.(pra já ajudar vocês a montarem os seus comentários): não, não tenho religião, sou agnóstico; não tenho mais ninguém pra desabafar (nem minha família serve (essa história é complicada)); nada mais do que eu gosto de fazer me conforta mais; sim, eu tomo remédios e estou me tratando; sim, meu estado de depressão é bem avançado (e sim, já tentei cometer su***dio uma vez e ultimamente, essa vontade tem voltado, então tenha em mente que REALMENTE, minha situação é deveras complexa e imagina só o tanto de coisa que se passa na minha cabeça); não, não namoro, não quero e não pretendo; não, eu não tenho algo de novo que pretendo experimentar; meu cérebro de 138 de QI é extremamente hiperativo e está sempre raciocinando ou pensando sobre algo, mesmo que eu não queira (normalmente é sobre temas como: matemática, física, química, biologia, geografia, astronomia, filosofia e semelhantes); me sinto mais uma máquina do que um humano e não consigo me sentir amado; não sou capaz de compreender várias coisas na sociedade como um todo. [Já que isso não era nem 0,0000... ...00001% do que eu quero falar, lembrem e pesquisem as minhas características que mencionei no começo, obrigado].
...no fim das contas, eu não fui muito breve...
submitted by LupusParsec to desabafos [link] [comments]


2020.08.28 01:15 TELZERAxX Como saber se você já foi corno por mais que a pessoa negue que nunca te traiu ou te trai??

Sei la algum especialista no caso ??? Rsrs alguém estilo metaforando, ou que já passou por isso, alguém que já saiba quais os sinais que a pessoa dê, as atitudes delas... Já namorei 3 vezes, na primeira vez que terminei a mina me amava e tal, dizia que era pra sempre que iria me amar, e do nada depois de tempos disse que queria um tempo, que estava confusa da vida, e que era melhor a gente dar um tempo e ser apenas amigos (pra alguém que me amava tanto como namorado e depois me ver só como amigo é estranho) disse também que ela achava que tinha nascido pra viver sosinha, que ela não gostava de mais ninguém (tudo isso ela dizia pra gente terminar). Falou milhares e milhares de coisas de o quanto ela queria viver totalmente só... Aceitei numa boa, terminamos... Quando menos esperei ela apareceu nas redes sociais com o seu tal "tempo" kkkk eu ficava tipo "ué vivia dizendo que queria viver sosinha?" E praticamente Depois de tudo isso resolvi dar uma chance ao amor novamente depois de ter quebrado a cara.... A gente já se conhecia a anos já tinha ficado em alguns momentos e chagamos a uma conclusão de darmos uma chance ao amor... Ao namoro. Namoramos foi tudo belo, tudo maravilhoso, com mil promessas com várias juras de amor milhares de eu te amo ... Éramos um grude só... (Sem contar que no meio desse namoro sempre aparecia de costume assim como todo namoro aquele infeliz que ainda não superou ela e ficava direto chamando ela no PV) O tal amigo rsrs "hj ele é só um amigo amor" Enfim a história foi por incrível que pareça a mesma... Chegou pra mim e praticamente disse quase as mesmas coisas que no meu primeiro namoro disseram. Eu fiquei em choque pq provavelmente eu ia sentir na pele pela segunda vez, só que dessa vez eu já saberia o fim disso (seria trocado por outro). E dessa vez eu fui questionando tudo, perguntando se ela iria me trocar.. sim, eu fui direto kk pq eu já entrei em desespero... A primeira vez eu não sabia o fim, agora imagine na segunda vez já sabendo o provável fim?? Pois é. E o pior que ela sempre nega não ter ninguém na vida dela, nega que nunca iria me trocar... Hj em dia a gente já nem se fala tanto, mas ela vive postando indireta pra um certo alguém, posta prints de conversa de um certo alguém dando em cima dela, posta várias coisas sobre amor, e quando resolvo sempre questionar ela sempre nega até a morte... Alguém pode me explicar se devo confiar nela ou na minha intuição pela experiência do primeiro namoro ??? Eu quero por um fim nisso d saber a verdade se fui ou não trocado...
submitted by TELZERAxX to desabafos [link] [comments]


2020.08.25 21:03 ImagineLives Eu amo ela!! Mas... ela não me ama?

Oi... Eu vou (tentar) ser bem direto
Meu nome é Rapha, Tenho uma namorada já faz mais ou menos 8 meses, começamos a namorar ainda na escola, ela veio até a mim e começos a conversar, e em pouco tempo já estávamos apaixonados, com o passar do tempo eu decidi pedir ela em namoro e aqui estamos.
No início do nosso namoro era uma coisa incrível, eu nunca senti tanto amor e reciprocidade por alguém em toda a minha vida, tínhamos uma conexão EXCEPCIONAL, toda conversa nossa era sinônimo de muitas risadas, compaixão e carinho.
Mas depois do 4 mês, eu tenho sentido ela bem distante de mim, sei que por conta da quarentena o ânimo de todo mundo mudou, mas parece que ela só mudou comigo, tipo, desde de o único ela tem minha senha do celular, e eu tenho as dela, eu nunca entrei no celular para ler nada, mas de vez em quando ela entrava no meu e de início eu achava normal do ciúmes e tals...
Só que esses dias minha preocupação com o nosso relacionamento aumentou de uma forma giganteca, ela já não era mais a mesma comigo, sempre que eu chamava ela para fazer algo ela diz "talvez" ou nem presta atenção no que eu disse, ela já não ligava mais para os presentes que eu fazia, os textos que eu deixava para ela (e que ela sempre amou).
Até que semana passada eu entrei no celular dela e fui ler algumas conversas dela, com o objetivo de descobrir algo, se ela não queria mais ficar comigo ou algo do tipo, mas todas as conversas que tinham ali, ela se divertia e muito, tinham memes(as vezes eu envio alguns memes para ela) tinham memes que eu já tinha enviado, e ela disse que não tinha a menor graça, mas quando os amigos (as) dela enviavam o mesmo meme, ela caia na gargalhada, olhando mais as conversas eu reparei que ela se divertia muito mais do que cmg.
Nesse momento minha Insegurança dó aumentava cada vez mais, até que decidi conversar com ela, falei tudo o que eu sentia, perguntei se estava tudo bem com ela, se eu tinha feito algo desagradável, se ela não gostava mais de mim, se ela pensava em terminar, e ela simplesmente falou que estava tudo ótimo, falou que não queria terminar comigo, perguntei se ela se divertia cmg e ela disse que sim, mas era muito difícil de acreditar em tudo aquilo para mim, e comecei a virar uma pessoa muito insegura.
Eu amo essa menina de uma forma que nunca amei ninguém, me dói muito ver que eu não sou uma pessoa no mínimo interessante para ela e me dói ainda mais ver que ela mente sobre isso para mim, eu já não sei o que fazer, já não sei o que pensar, parece que a cada dia que passa ela vai deixando de gostar de mim, e eu me odeio por isso, já chorei muito (e eu não sou um cara que chora com facilidade), mas eu não sei mais o que fazer, será que eu estou disponível demais? Será que eu me iludi esse tempo todo? Será que ela mentiu para mim? E se mentiu, o por quê? Minha cabeça está uma confusão...
submitted by ImagineLives to desabafos [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.29 02:17 JhowneeBitch O QUE SÓ ACONTECE EM FILMES MAS INFELIZMENTE ACONTECEU COMIGO

Olá, People, Luba e quem estiver lendo. Isso aconteceu e tenho testemunhas. Aliás, essa história é contada até hoje, talvez até por pessoas das quais nem lembro mais que existam. Mas vamos lá.
Começou em 2009, eu estava no último ano do ensino fundamental, e já me reconhecia como Bissexual. Na época, eu era talvez o único aluno daquela escola que era abertamente LGBT, então, consequentemente, acabei ficando muito popular. Todo mundo sabia quem eu era e etc. Lembrando que eu era o único, então, não tinham outros Boys por quem eu pudesse ter... Um lance. Só garotas. Então eu pegava um monte de garotas. Até que comecei a namorar com uma garota que vamos chamar de "N". Eu e "N" namoramos por quatro meses e tava tudo certo. Mas dentro de mim, eu sabia que eu não tinha nada de Bissexual. Que talvez fosse só uma fachada pra eu me sentir "Menos Gay" (Se é que isso faz sentido) até que vi que eu estava certo. Então, um dia, tomei vergonha na cara e abracei minha completa homossexualidade. Eu e "N" íamos e voltávamos da escola de Perua Escolar, então estávamos juntos dentro e fora da escola. Assim que virou o ano, para 2010, e eu entrei no colegial, Tive que terminar com "N" obviamente, e explicar tudo pra ela, que eu era GAY, não BI, que não dava mais pra continuar nosso relacionamento. Ela aceitou NUMA BOA. Inclusive viramos bons amigos. O que ela não sabia, é que um dos motivos por eu ter terminado também foi porque eu estava me apaixonando por um garoto, que vamos chamar de "W". O "W" não era da mesma escola que a gente. Mas a nossa perua escolar, carregava dois grupos de alunos ao mesmo tempo, os da nossa escola, e alguns da outra (a dele, no caso). Então eu via "W" todo dia também, na ida e na volta. Mas o "W" não era gay ou bi, ou pelo menos não aparentava. Eu fui chegando na amizade... mas com segundas intenções. Até que um dia, minhas segundas intenções ficaram claras pra ele. E para minha surpresa, ele revelou que também tinha sentimentos por mim. Nos beijamos e tal, mas ele ficou muito apreensivo, e decidiu que não teríamos nenhum envolvimento. Fiquei chateado, mas fazer o que. Todo adolescente pode ter conflitos sobre sua sexualidade, então aceitei de boa e passei esse pano pra ele. Até que, no dia seguinte, ele diz que sonhou comigo, que não conseguia parar de pensar em mim e boom! Me pediu em namoro. Eu aceitei, é claro! Eu estava apaixonado e era tudo tão emocionante. Namoramos, e muito bem! Não tinha brigas, DR, ou crises de ciúmes. Brincávamos muito, fazíamos piada.. Era um namoro cheio de alegria, muita química e cumplicidade. Tínhamos os mesmos gostos... era tudo perfeito. Passaram-se alguns meses, e um dia... Ele me disse que queira terminar. Acontece que ele estava sofrendo preconceito na escola dele. Havia inclusive perdido algumas amizades quando o fato dele estar namorando com outro garoto (eu) veio à tona. Ele não conseguia suportar a pressão do preconceito. Disse inclusive que muitas pessoas na escola dele haviam parado de chamá-lo pelo nome, e o chamavam só de "Viado." Ele inclusive ficou com medo que alguém contasse tudo pra mãe dele e etc. Então, terminou comigo. Eu fiquei DEVASTADO. E pior é que eu não podia fazer nada. Não adiantou falar nem opinar, porque eu mesmo, nunca senti na pele esse tipo de preconceito. Na minha escola, todo mundo era super gentil comigo e nunca sofri nenhuma rejeição.
Alguns dias se passaram, eu só conseguia sofrer por amor. Até que, "N", lembram dela? A minha ex? Então, eles começaram a ficar muito próximos... E quando me dei conta, estavam namorando.
Algo que eu não desejaria ao meu pior inimigo, é ver DOIS EX SEU SE PEGANDO, SE BEIJANDO E SE LAMBENDO NA SUA FRENTE, DIA APÓS DIA, ainda mais apenas uma semana depois do nosso término. Estávamos todos enclausurados numa perua escolar na ida e na volta, não tinha pra onde escapar, era impossível não ver eles se agarrando. Que merda! Eu a deixei por ele, ele me deixou, e depois ficou com ela? PQP!

Mas logo eles terminaram. Eu vi minha chance, voltei a me aproximar de "W" mas ele disse que não tinha nenhuma chance de nós voltarmos. Ele ainda estava atordoado com o que ele passou na escola dele. Que agora todos estavam começando a tratar ele normalmente de novo. Eu e "N" inclusive chegamos a brigar por causa de "W", disputando o amor dele feito dois trouxas. Até que ela desistiu e eu fingi desistir, mesmo chorando quase todo dia.
O ano letivo estava acabando, eu e "W" estávamos próximos de novo, mas sem beijos, sem carícias, apenas amizade. Eu me declarei e disse o quanto o amava, ele só conseguia segurar o choro. As férias de fim de ano estavam vindo, essa era minha última chance este ano? Ele disse que queria estar comigo, mas que não estava preparado ainda. Mas que eu o havia marcado, e que ele nunca esqueceria de mim. E que usaria as férias pra pensar sobre mim e a nossa situação, que ele me daria uma resposta definitiva sobre o nosso possível futuro assim que as aulas voltassem, no ano seguinte. Sim, eu passaria as férias e a virada do ano me torturando com isso na cabeça, mas ok.

Então, a perua chegou até onde ele morava, era vez dele descer. E uma última vez, eu disse "EU TE AMO". E ele respondeu "EU TAMBÉM TE AMO" prestes a chorar, batendo a porta da perua. Aquilo foi tão dramático, tão romântico, eu me senti num filme.
Passaram as férias, finalmente chegou o primeiro dia de aula. Eu fui com uma animação tremenda, mesmo temendo a resposta que ele pudesse me dar. A perua foi passando de casa em casa, e só ia aumentando minha tensão. Até que quando passamos pela rua dele, a perua passou direto. Então perguntei pro motorista - "O W vai faltar no primeiro dia de aula?" E o motorista me respondeu "Então... Ele não vem mais. Mudou de escola, não vou mais buscar ele."

Aquilo me destruiu. Completamente. Não o vi mais depois disso, mas também nunca o esqueci. Acho que o primeiro coração partido é o que dói mais. Até que 10 anos depois, por pura ironia do destino, minha amiga "J" (que é lésbica, aliás) disse estar batendo um papo com um carinha do face que gostava muito de Star Wars, assim como ela. Quando vi quem era... Minha alma quase saiu do corpo, era ele! Eu peguei o número dele. Quando mandei um simples "Oi", ele respondeu JÁ SABENDO quem eu era, só pela foto. Não perguntou meu nome nem nada. Ele sabia. Me chamou pelo nome e tivemos uma conversa longa que durou umas 7 horas. Mas foi uma conversa puramente amigável. Ele está bem, eu estou bem (Estou Muito bem, aliás, agora entrei num novo relacionamento com um rapaz muito bom, gentil e resolvido.) Mas acho que essa conversa que tivemos foi a prova de que, o que aconteceu lá trás, nunca vai sair das nossas cabeças.
Acabou aqui? Não sei. Provavelmente sim. Mas essa foi uma página da minha vida que custou 10 anos pra fechar. Ele me deixou num "Gancho" há 10 anos atrás que atormentou todos os relacionamentos que tive desde então, sempre com medo de me afeiçoar. Mas talvez... Eu não sei.
A garota "N" está muito bem também, somos realmente bons amigos e até saímos as vezes pra tomar uma cerveja. Foi isso, muito absurdo mas romântico ao mesmo tempo. Daria um Livro Teen? Quem sabe eu escreva. "N" inclusive já até me deu permissão pra escrever um.
submitted by JhowneeBitch to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.28 05:48 leepz2019 Um "amor" que eu não entendi

Olá me chamo L. (H.28) e venho buscar opiniões pra poder entender oque está acontecendo. Há 4 anos atrás conheci uma moça denominada D. Moça bonita e jovem 15 anos, só queria curtir e zoar a vida, quando eu a conheci foi em casa, naquela época consumimos maconha e vivíamos chapados, ninguém queria nada com nada, eu recém terminado e ela também. Nos envolvemos e aconteceu, a gente ficou e deixamos claro que não queríamos nós apegar tanto, porém não foi isso que aconteceu. Porém eu vinha passando por problemas devido ao meu término recente e vi que estava ali só por estar mesmo. Comecei a pensar e fui me afundando numa depressão profunda e amarga, porém não quis demonstrar isso, eu gostava muito dela e sabia que na idade dela não tinha porque envolver-la em algo desse tipo, afinal queríamos curtir. Passando um tempo minha mãe sabendo da minha situação me chamou pra ir morar com ela no nordeste, sem chão e sem nada resolvi ir sem hesitar. Expliquei para a D. que teria que ir embora pois não tinha mesmo condições de me manter nas condições emocionais que eu estava. Ela entendeu e compreendeu, sempre fomos muito sinceros um com o outro. Fui embora de coração partido por deixar a cidade e pessoas muito importantes pra mim pra trás. Chegando lá não consegui me adaptar e cai em depressão profunda, o único motivo pra eu sair da cama era comer e fumar cannabis. Passado um tempo comecei a me sentir mais disposto, saia pra passear beira mar, dar uns pegas bem assim dizer, uma euforia total. Cheguei a mandar mensagem pra D. Já que tinha me afastado por conta da depressão, porém ela tinha voltado com o ex, segui em frente afinal oque mais me importava era se ela estava feliz ou não. Passado uns 2 meses entrei em uma crise psicótica devido ao uso de cannabis. Passei por avaliação psicológica e fui encaminhado pra uma clínica. Foram os piores dias da minha vida, porém aprendi muita coisa ali. Eu já não queria mais morar lá no nordeste então saindo da internação resolvi fazer uso de drogas denovo sabendo que assim minha mãe me mandaria de volta pra minha cidade aqui no sudeste. Voltei e continuei a usar contrariando todo o tratamento da doença (esquizofrenia) uma simples tendência nada que me tornasse incapacitado de lidar com a sociedade. Certas vezes cheguei a sair e esbarrar com ela pelas ruas, cruzamos olhares mais ela ainda estava com ele e eu pensava que ela estava feliz e não queria estragar isso. Passado um tempo me atacou outra crise e resumindo segui pra uma internação mais severa agora aqui no sudeste e parei com o uso de drogas pra não atacar crise de novo. Fiquei um ano focado em trabalhar e cuidar de mim se manter relação amorosa com ninguém, isso foi ano passado. Um amigo em comum que namora uma amiga dela me disse que esses dias elas estavam conversando sobre mim, que ela aparentemente estava tendo um mal relacionamento com o namorado dela e disse que ela nunca me esqueceu e que gostava de mim depois de todo aquele tempo. O amigo me disse pra mandar mensagem pra ela, passado alguns dias eu criei coragem e mandei um oi pra ela no wpp. Sem resposta eu pensei, ela deve estar se acertando com ele, melhor eu deixar quieto. Passado mais alguns dias respondi um storie do instagram, não passou muito ela me respondeu com um emoji, logo voltamos a nos falar cada vez mais e mais. Perguntei se ela tinha terminado e ela disse que sim, antes de agente voltar a se falar ainda. Numa sexta feira tomando uma cerveja ela me disse que ia dar com o irmão, eu sem muito o que fazer chamei ela pra tomar uma em casa onde nos conhecemos, e ela aceitou e veio pra minha casa, já com a intenção de ficarmos, pois havíamos conversado por mensagem. O reencontro foi algo muito especial pra mim, algo que eu não consigo explicar. Ela passava quase a semana em casa, e quando ia pra casa dela trocava-mos mensagem do amanhecer ao anoitecer, eu achava me sentia muito pressionado mas sentia que ela precisava disso pois ela havia mencionado que também tinha parado de usar drogas que ocasionaram em crises de Pânico ou ansiedade não sabemos ao certo pois ela não quis ir ao médico saber sobre. Ela vinha tendo crises com certa frequência e eu sempre ajudei como pude, quando estava longe eu tentava distrair-la, quando perto abraçava, conversava, contava algo engraçado até passar tudo. Com um mês pedi ela em namoro durante uma festa que fazíamos em casa, ela aceitou, ficou emocionada ao meu ver, pois havia relatado que ninguém nunca tinha feito aquilo com ela, pusemos as alianças e comemoramos aquele dia. Ela passava muito tempo em casa e eu e meu irmão estávamos desempregados no momento, logo conversamos que ela vinha um dia da semana pra casa e nos fins de semana pra não pesar pra ninguém como havia combinado com meu irmão, conversei com ela e foi sem problema mas sempre ela inventava algo como está tarde ou vai chover ou que se sentia bem em casa comigo, pois o pessoal de casa sempre gostou dela e tratou ela super bem, entao eu ficava sem jeito de pedir pra ela ir pra casa dela. Mas sempre expliquei pra ela que quando eu pudesse eu traria ela pra morar comigo aqui, ela sempre ajudou como podia, não tinha dinheiro pois não trabalhava e eu ainda estava sem serviço pois nosso negócio estava parado por conta da troca de estação. Passando algum tempo realizamos a venda de um imóvel rural, recebi um bom valor da minha parte e sempre combinamos que quando o negócio voltasse a rodar iríamos trabalhar pra fazer esse dinheiro render então decidi pegar o resto das coisas dela , até isso acontecer aproveitamos muito, bebemos muito e curtimos muito, sempre comprei coisas pra comer sem necessidade, porém comprei muita coisa necessária também como roupas pra nós dois, comprei maquiagem pra ela, escova progressiva pro cabelo, trocamos de celular, comemoramos aniversário fomos em festas antes dessa pandemia é claro, aos pouco vi ela ficar cada vez mais linda de que quando a conheci. No caminho dessa curtição sempre reparei nas atitudes dela comigo, principalmente quando bebia ela me desagradava com certas atitudes, eu ficava extremamente magoado com aquilo e sempre me abri com ela e expliquei que aquilo me magoava muito. Coisas como, você tá parecendo meu ex, amigos que dava em cima dela eram melhores que eu, ou em certa conversa expliquei pra ela que ela me devia respeito, pois sempre respeitei ela e fiz o que ela queria, ela nunca teve quem fizesse essas coisas por ela, então eu fiz tudo na melhor intenção e felicidade por fazer ela feliz, ela me disse que não tinha por que me respeitar. Nós não éramos mais namorado, ela já estava morando comigo há mais de 4 meses, éramos praticamente marido e mulher, claro que tinha que ter respeito um pelo outro poxa. Sempre tivemos biometria do celular um do outro como sinal de confiança mas nunca olhei seu celular, uma vez ou outra só quando queria saber oque tanto fazia ali, e ela fazia também quando eu dormia eu acho, pois não via ela mexendo, até aí normal, apesar dos apesares sempre nos demos muito bem e eu achava que éramos felizes. Mas de nesses últimos 2 meses, reparei que ela já não se divertia muito diretamente comigo, só quando não tinha mais ninguém mesmo, se tivesse algum parente dela ou meu bebendo com a gente ela era totalmente radiante e feliz. Se eu for parar pra contar tudo que eu reparei com certeza vai ficar muito maior esse texto.. Continuando, mais precisamente a umas 3 semanas fomos a um aniversário do cunhado dela que eu sempre vou considerar como se fosse da minha família, inclusive sou muito grato a ela por ter conhecido ele e também a minha cunhada que é namorada dele e irmã da D. Enfim fomos a festa e chegando lá estava a família do aniversariante a mãe e os irmãos que eu conhecia aliás, tem um deles especificamente denominado J. Que ela sempre me falou mal, dizia que quando ele estava com a namorada ele era c..são e dava ânsia cada vez que ouvia o nome dele, porem recentemente a parceira dele largou dele e foi embora do estado. Até aí tudo bem, ele foi super simpático comigo, porém notei ela muito simpática com ele. Naquela noite fiquei assando carne na garagem em baixo onde se encontrava a maioria do pessoal, e ela distante de mim, direto lá em cima conversando com os irmãos do cunhado e nada de me dar atenção, percebi mas nem falei nada pra não ficar um clima chato na festa e nem começar uma briga com ela. Festa acabando chamei ela pra ir embora que a irmã dela ia levar a gente, ela estava jogando futebol no game com os irmãos do cunhado dela, e não me deu ouvidos direito, disse que estava vendo alguém jogar, eu falei vamo que o carro tá ligado já, ela disse que já ia, desci e falei pra irmã dela chamar que ela não queria vir, a irmã subiu, logo ela desceu, ao sair do portão torceu o pé, estava bem embriagada, todos estávamos, durante o caminho veio dormindo e chegou em casa subiu as escada deitou na nossa cama e logo adormeceu. No domingo ela acordou com o pé super inchado me chamou e eu perguntei se ela queria ir ao hospital ela disse que não, depois disso no meio do dia meu sogro liga pra ela perguntando se não queria ir na casa dele, disse que era melhor não ir por casa do pé, ela não gostou então fomos mesmo assim, bebemos rimos muito aquele dia, tudo normal, chegando em casa cuidei dela devido a pé e ficamos de boa, estava tudo normal aparentemente, na segunda ela ficou o dia inteiro no quarto devido ao pé inchado, na terça disse que iria na irmã dela e que a mãe ia lá e queria passar o dia lá, normal pra mim, antes de sair meu irmão havia pedido pra ela separar algumas peças que foram vendidas, ela disse que faria assim que chegasse. Na sexta feira antes disso meu avô havia sofrido uma queda e bateu a cabeça forte, no sábado do aniversário ele havia passado mal da pressão e ido ao hospital, desde então eu já estava aflito com essa situação e ela nem pra perceber, foi mesmo assim pra casa da irmã, no meio do dia me manda uma mensagem dizendo que o pé inchou, perguntei pra onde tinha andado ela disse que tinha ido ao mercado de apé, já fiquei meio irritado, pois há algum tempo ela já não ajudava nas tarefas de casa direito, coisa que sempre fiz independente de estar trabalhando ou não, paras as obrigações fazia corpo mole, pra se divertir era a primeira a agitar, blz. Me mandou uma foto do pé inchado, logo em seguida falei "quero ver essa disposição aqui em casa" e mandei uma palminha sobre a foto. Meu avô havia ido ao médico e eu estava extremamente preocupado. Não conversamos o resto do dia, mais ao anoitecer ela chega em casa me dizendo que tinha que voltar lá na irmã pra cortar a franja, só olhei e não respondi, por tamanha indignação com as preocupações minhas comparadas com as dela, que já não se importava muito com o que eu sentia e afins. Depois daquele dia ela se fechou e não saia do quarto nem pra comer, e direto eu vinha ver como ela estava, quando ela não estava vendo algo no celular estava jogando com o J. quem ela sempre falou mal, e estava rindo com o cara, toda hora conversando, e comigo nada de conversa, ia dormir tarde conversando no wpp e jogando, rindo com os outros e eu nada, fui ficando extremamente magoado e nervoso com isso tudo, cheguei a ter batedeira e tremedeira de nervoso, sensação de desmaio, fraqueza, decidi então ocupar a cabeça com serviço, enquanto ela ficava no quarto isolada falando só com quem ela queria eu me distraia com outras coisas. Na sexta feira resolvi puxar assunto com ela no wpp, já que ela não saia de lá, logo ela me respondeu e conversamos, disse a ela que não dava pra continuar desse jeito e ela concordou, eu também disse que desconfiava que havia algo errado ( mais uma coisa de intuição ou pressentimento não sei explicar) , ela me disse que eu tava viajando já, um pouco também é pelo fato de ela colocar o celular debaixo do travesseiro antes de dormir, coisa que nunca aconteceu e eu achei estranho mas nem falei sobre isso, durante a conversa me disse que tinha uma bagunça dentro dela que a vida dela era um caos e não queria me envolver nisso tudo, que cansou de fingir que tava bem e precisava pensar na vida, que tinha que ficar um tempo sozinha pra ver oque ela tava fazendo da vida dela????? Como assim? Depois de tudo que passamos que "conquistamos" , tudo que curtiu , dizia que me amava e eu também dizia, aliás ainda amo, cadê aquele amor todo que tinha me dito que tinha? Que nunca me esqueceu? Que eu era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dela? Que eu era o homem que ela pediu pra Deus? Que eu ninguém tratou ela como eu tratei? Passou mais um dia, enfim logo ela mudou de assunto e desceu ajudar minha cunhada com umas coisas de casa, foi até mim, disse que me amava, me deu um beijo, e disse que havia melhorado um pouco, mais a tarde eu ainda trabalhando perguntei a ela, e aí tá de boa? Ela me respondeu.. Sinceramente não tô não.. Disse a ela que a hora que eu subisse conversaria Ela perguntou se podia chorar, pois estava com uma vontade gritante fazia tempo Disse que sim, que as vezes tudo que precisa é desabafar e fazer isso mesmo Eu subi, cheguei no quarto e liguei a TV e coloquei algo pra tocar num volume mais ou menos, abracei ela bem forte deitado na cama, e senti ela chorando bem baixinho pra não perceber, ali eu me senti muito mal mas muito mesmo, porém a gente havia conversado e ela me disse que não foi nada que eu tivesse feito ou falado pra ela, do contrário, era coisa dela e ela não queria me envolver, enfim ela terminou de chorar veio até mim e nos beijamos intensamente, sentou no meu colo e continuou me beijando, cheguei a pensar que transariamos. Ela saiu de cima e estávamos conversando sobre nada específico que envolvesse nossos sentimentos, ela me perguntou se eu tinha entrado no jogo que sempre jogamos juntos pra coletar recompensas eu disse que não e pedi pra ela pegar meu celular pra eu poder fazer isso, entrei lá e logo o J. estava online e me chamou pra jogar, joguei com ele na boa pq já tinha combinado, e perguntei a ela se ela queria jogar, sem hesitar ela entrou com a gente, jogamos até altas horas e foi bem divertido. No dia seguinte estávamos conversando normal e tudo até que um amigo em comum avisou que teria um churrasco de aniversário na casa dele a noite e teria chamado também a irmã dela e o cunhado, logo encaminhei pra ela e ela disse que tinha combinado almoço na casa da mãe do cunhado dela onde reside o J., falei mais eu nem sabia que se tinha combinado isso, e outra dava pra ficar pra outro dia, já percebi que ela não gostou e parou de falar comigo, subi no quarto pra trazer comida pra ela pois ela não havia saído do quarto, cheguei ainda amoroso e disse comprei algo pra você comer, ela disse que não tava com fome e não olhou na minha cara, pensei poxa denovo isso..algum tempo depois entrei no quarto ela rindo e jogando denovo com o mesmo cara, enquanto eu resolvia as coisas pro aniversário e trabalhava. Pouco antes de me arrumar entrei no quarto a mesma situação, não me senti mal exatamente por ela estar jogando e rindo com ele, fiquei meio chateado por que ela me ignorava. Enfim varou a tarde jogando e tive que pedir pra ela se arrumar se não nós atrasariamos, fez cara e se arrumou, e seguiu seca e meio calada igual a semana inteira, fomos para a festa.. Chegando lá se divertiu e tirou foto com todo mundo menos comigo..depois de um tempo ela me disse que estava passando mal e queria ir embora, trouxe ela em casa que é perto e pedi pra ela comer algo quando chegasse pra não acordar passando mal com dor de cabeça Ali eu tomei a decisão de fazer como se fosse um dia em que eu pudesse extravasar, Bebi como se não houvesse o amanhã, fui até 10 horas da manhã bebendo.. chorei muito desabafei muito com a minha cunhada que sempre foi parceira e amiga em tudo, inclusive da D. Subi e descansei, não vi ela acordar e quando acordei ela estava no banheiro, desci e continuei bebendo e pensando em tudo. Fiquei o dia sem inteiro sem entrar no quarto..quando entro me deparo com ela mais uma vez jogando e rindo com o cara, depois disso comecei a tremer e sentir batedeira denovo. Conversei com alguém e fui tomar um banho pra acalmar. Funcionou, entrei no quarto e acho quel ela percebeu que eu saí nervoso logo ela saiu do jogo. Na segunda feira ela ia repetir o mesmo esquema da semana passada e ia me ignorar..passei o dia inteiro pensado sobre o que fazer e como fazer e decidi subir pra conversar. Cheguei no quarto ela estava com a toalha ao lado..perguntei se ela iria se banhar ela seca me disse "vou"... Disse que a hora que ela voltasse precisaríamos conversar.. Ela voltou do banho e sentou na cama e disse.. Vai solta a letra.. Já rebati..é assim mesmo que você fala? Tem certeza que quer começar uma conversa assim? Ela disse não,, foi mal diz aí oque se quer Perguntei eai? As coisas vai ficar assim mesmo? Se não quer falar comigo, só ri e conversa normal com os outros? Ela disse eu não tô falando com ninguém 🙄 Já parei a conversa e falei ... Ó assim não dá nao...faz um favor e só arruma outro lugar pra você ficar e pode ir embora.. Sem hesitar ela disse hoje mesmo eu faço isso! Me doeu muito ter que dizer aquilo.. Mas para ela foi como se já tivesse esperando.. Então me dirigi a porta e disse, me faz um último favor? Ela disse hum? Falei.. Isso que você fez comigo, não faz com o próximo não.. é feio e é muito errado... Ela balançou a cabeça e disse... Tá bom Desci e fiquei inquieto lá em baixo, minha vontade era subir e falar tudo que estava e estou sentindo agora.. Ela me pediu pra ajudar a encontrar as chaves da sua casa, subi e quando abri a porta ela estava sentada chorando muito...aquilo me partiu o coração, mesmo assim encontrei as chaves e entreguei a ela.. Sentei ao lado dela quieto e esperei pela carona dela.. Pouco antes de ir me pediu um abraço. Nós abraçamos e nos beijamos uma última vez e enfim ela foi embora.. No dia seguinte atualizou seu status pra solteira nas redes sociais e posta indiretas como coisas do tipo a dar entender que já está em outra e isso tem me magoado profundamente.. Eu tenho tanto ainda pra falar..mas estou digitando faz horas.. Fica aqui um desabafo +
submitted by leepz2019 to desabafos [link] [comments]


2020.07.25 04:22 MarcoDino O HEXÁGONO AMOROSO

Olá seres humanos não adaptados para 2020, olá Luba, pessoas que estão a ver este post que são demominados de turma (chega), olá gatas incríveis, restos de papelão e se eu aparecer no vídeo né, editor (COISA Q NUM VAI ACONTECER MASOK SKSK) Bom, minha história começa no meu.... Acho que 7 ano, não lembro totalmente, mas enfim, onde eu conheci minha Ex (vamos chamar ela de Chibi, pq ela é pequenininha, sem ofensa, claro) Chibi, ela se interessou por mim quando eu namorava uma amiga dela, a...... Rars, que tipo, sabe aquele namoro meio paia que só é coisa de momento e tals? Então, era isso, a gnt se conheceu nesse contexto. Chibi e eu namoramos por quase um ano, em volta de 8/9 meses, até que me mudei e fui para outra escola, onde foi nossos últimos meses de namoro. Conversa vai, conversa vêm, o namoro foi desfiando conforme os móveis da minha casa iam para outra, até que eu finalmente me mudei, foi aí que decidimos ir namorando (coisa que nunca dá certo), ao chegar na minha nova casa, obviamente fui transferido de escola, até pq a minha antiga era mt longe, foi onde conheci meus três amigos, Fars, Kars e a Lars, a gnt sempre saía juntos e tals, zoavamos, enfim, éramos um quarteto bem legal até. Nisso, eu ainda estava com a Chibi, e já não nos víamos a bastante tempo (cerca de 1 mês), ai minha amiga Rars (a mesma que me apresentou a Chibi e que por sinal era minha melhor amiga na época) pergunta como estão as coisas com a Chibi, eu respondi que estava tudo bem e que estava até andando, vendo as circunstâncias, enfim. Uns 5 dias depois, eu pergunto pra Chibi como ela estava no curso que ela estava fazendo, conversa vai, conversa vêm, ela me fala de um cara, mas assim, não foi tipo..... Passageiro sabe? Foi meio que na cara assim, ela marcou o nome dele meio q indiretamente, falando disso e aquilo, eu não sou idiota de reclamar e tals, mas sla, foi estranho. Me sentindo BEM GAIADO (corno, n sei se sabem o que é gaia né kks), vou falar com meus três amigos, e um deles, o Kars, diz que gosta da Lars, e eu tento arranjar um esquema pra ele, até pq eu gostava bastante dele e queria ver ele junto com Lars, e foi o que eu fiz, tentei, tentei e tentei, mas nada dos dois ficarem (nota:isso tudo sem o Fars saber), se passam alguns dias, e o Fars fala que também gosta de Lars, e eu, amigo legal como sou, tento "convencer" Lars a ficar com ele também, chega um ponto em que o clima está muito pesado, apenas eu no meio do tiroteio de mãos atadas, depois de um tempo tentando arranjar os esquemas, Lars fala que não quer ficar com nenhum dos dois, algo que realmente me deixou chateado, não por causa dela ter recusado eles, mas pelo o tempo que jamais terei de volta, enfim, depois de uma boa semana (e se lembre, me sentindo corno) resolvo dar o troco naquele sentimento que a Chibi me fez passar, fui até Lars e tentei fazer um esquema para mim, pois eu já sabia o que ela gostava de tanto que eu tentei arranjar esquema pros outros dois, e deu certo, chegou um ponto em que eu traí Chibi com Lars (claro que eu fiquei num lenga lenga, mas isso é algo até bom, pq depois daquilo eu sou bastante direto no que falo), primeiramente me senti aliviado por só ter tirado aquela coisa da minha cabeça, talvez ser corno não seja tão ruim quando se está com um parceiro, não é? Depois senti que devia terminar com Chibi, até pq não estávamos conversando tanto, e já estava bem claro que não poderíamos mais namorar, foi aí que me vêm a mensagem dela, Chibi também queria terminar, o que não era tão assustador assim, CONVENHAMOS. Bom, terminamos, e eu segui meu rumo, passam umas semanas e eu tenho a notícia que Chibi começou a namorar aquele menino de quem tanto falava, e mais, Rars me disse que Chibi só estava comigo esperando ele terminar seu namoro, foi quando eu fiquei P*TO, disse para Rars contar que dei gaia na Chibi (sim, ela não sabia), até pq eu não estava com paciência e não queria falar com ela (coisa bem infantil), Rars conta para Chibi, que não fala mais comigo e começa a me odiar, obviamente, e então se passa cerca de 2 meses, aonde eu começo a namorar Nars, que por sinal foi realmente um ótimo namoro, mas que por conta da minhas condições (eu tenho um distúrbio mental chamado Borderline, que pfvr, se quiser me entender um pouco nessa história, pesquise um pouco, tá mais para personalidade, mas relevamos não é mesmo?), eu simplismente termino com Nars, pois não estava bem emocionante e precisava pensar. Um tempo passou e eu me encontro recuperado, tendo apoio de profissionais aos quais eu ainda tenho que ter, pois é algo que não posso controlar tão facilmente, então tento voltar com Nars, MAS CHIBI DESCOBRE ISSO, CONTA PARA TODO MUNDO O QUE EU FIZ (possivelmente não contando a sua parte, eu não sei), CRIA UM GRUPO AONDE TÊM SUAS AMIGAS ME XINGANDO E RIDICULARIZANDO, E POR FIM, DIZ AS SEGUINTES PALAVRAS (isso após uma longa discussão do quão ela e eu fomos babacas):
-Narns não precisa de você o abandonando, tendo você na cabeça o dia todo, ele se sente mal falando com você e suas palavras o machucam, se você o ama, deixe ele em paz.
Me estressei e discuti com ela por um longo tempo, até que paro de falar com Chibi e Nars. Um bom tempo se passa, e Nars me manda uma mensagem, pouco a pouco voltamos a ser amigos, mas comigo gostando dele, mas se sentindo culpado e não podendo falar o que sente, com medo de perder a amizade. Passa-se um tempo, as conversas desenrolando, aquele sentimento ainda ali, depois de (acho, eu realmente sou MT ruim de memória) 3 meses, eu me declaro para Nars. Hoje em dia, estamos namorando, eu e Chibi nos desculpamos e agimos de forma madura, assumindo os erros e realmente olhando para trás e dizendo o quão babacas nós tínhamos sido, eu e Nars reatamos (para ele não foi um tempo, mas para mim sim) e, pelo menos para mim, estamos a quase 5 meses juntos, o que me orgulho bastante de falar é que sou feliz com ele, infelizmente minha família não apóia minha decisão, por isso deixo em segundo plano, apenas treix primas minhas sabem e apoiam com toda força, ele e eu queremos nos mudar para bem longe, aonde realmente poderemos ser felizes, venho aqui contar essa história, pois sei que, se conseguirmos viver juntos, vamos olhar para trás e nos orgulhar e dar risada do que passamos. Desculpa essa melancolia e melação, mas eu amo ele, e ele me ama, me desculpa essa Bíblia, mas espero que seja um bom entretenimento. Obrigado se você leu até aqui, se eu apareci no vídeo, é uma honra estar aqui Luba, você é uma grande inspiração para mim e acredito que para muitos É isso, muito boa noite, tarde ou qualquer outro plano existente :3
submitted by MarcoDino to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.01 05:11 Oshi_neah Fui babaca por tentar dar uma lição de moral no meu ex? (MINHA PRIMEIRA VEZ AQUI, UHUUUL)

Olá Lubinha, esforçados editores, Espírito Santo já que o possível convidado nunca está conosco, lindas gatas, finados papelotes e turma que está a ler.
Essa história tem quase 1 ano e basicamente ela é sobre o término do meu webnamoro. Se preparem, talvez vai ser longa. Pode me chamar de Carls, Luba. Eu ficaria feliz kkkjj (manda um beijo pro Espírito Santo-ES se ler essa história por favor menorquetreix ❤
Bah ahã, eu namorei um boy virtualmente por 1a e 10 meses (vou chamar ele de Zarls pra ficar legalzinho) e terminei por que o namoro já tinha ficado cansativo, eu não estava mais gostando dele e ele não parecia estar mais interessado em mim, tivemos muitas brigas durante o relacionamento principalmente por causa de ciúmes de ambas as partes (namorar a distância é muito pior em relação a ciúmes, e eu achava um saco ter que lidar com isso) e ele estava há um tempo falando bastante de uma outra garota que ele tinha conhecido na escola e eu desconfiava que ele estava me traindo com ela (PS: fiquei sabendo que o Zarls ficou com essa garota assim que eu terminei com ele, pois é) ele dava muitas desculpas pra não ficar mais comigo, não gostava de jogar comigo e nem dava sugestões de novas coisas que pudéssemos fazer juntos, mesmo distantes, não se esforçava pra gostar de nenhuma das coisas que eu gostava apesar de eu começar a gostar de muitas coisas por causa dele e pra ter assunto pra falar com ele, além de que em tudo o que a gente discutia, ele sempre tentava se sair por cima querendo ser melhor doq eu em tudo e isso me deixa extremamente irritada.
Bom, depois do nosso término nós acabamos não rompendo 100% do nosso contato pq nós estávamos no mesmo grupo de amigos do Facebook e eu não queria me desfazer de todos eles por causa de um namoro rompido, e sempre que eu ia dizer alguma coisa ele tentava me mandar uma indireta dizendo algo relacionado a mim que ele não gostava quando estávamos juntos, quando eu desabafava por estar triste ele se metia dizendo coisas como o típico Nice People "Ain, está com depressão? Apenas fique feliz! Apenas supere!" (tive depressão antes de estar com Zarls e depois ainda tive depressão por bastante tempo e ele sabia disso e me ajudou bastante algumas vezes, isso ainda vai ser relevante), fiquei muito nervosa com essas coisas e dei uns cortes nele até que ele me bloqueou e saiu do tal grupo que tínhamos com esses amigos, nesse meio tempo eu acabei reclamando muito dele com esses amigos, disse que ele tinha sido hipócrita comigo e que eu não aguentava mais lembrar dele, até que cheguei em um pico de raiva e disse que na verdade, preferia que ele estivesse morto (sei que fui muito cruel dizendo isso, mas não acabou por aqui) Algum tempo depois, uma página de LoL (nos jogavamos muito LoL juntos) anunciou que criaria vários grupos separados no Whatsapp para os fãs da pagina (se não me engano eram 5 grupos) e eu fiquei super animada em participar pq gosto de conversar com pessoas diferentes sobre coisas que eu gosto muito. Lembrando que tinham 5 grupos nessa página, e existiam mais 4 opções além da minha pra ele entrar e ficar lá com diferentes tipos de pessoas, mas adivinha em qual grupo ele entrou?
Exatamente
NO MESMO QUE EU!!
Eu reconheci ele pelo número de telefone dele (detalhe: dois anos de namoro e ele não tinha decorado meu número KKKKKKKKKKKK)
Ele não sabia que eu tava no mesmo grupo que ele, pq como eu disse ele não tinha gravado o meu número no celular dele, porém assim que eu percebi que ele estava no mesmo grupo que eu, eu quis sair de lá, porém eu percebi que no meio das mensagens que ele mandou, ele estava reclamando de uma ex, e até aquele momento a única ex que eu sabia que ele tinha era eu, e quando fui ler ele realmente estava reclamando de mim, e além de estar reclamando ele estava MENTINDO SOBRE MIM E ME FAZENDO PARECER A EX LOUCA E SURTADA QUE ABUSOU DO INCRÍVEL PSICOLÓGICO DE MERDA DELE. Eu fiquei enojada e não acreditei que ele tava falando coisas tão ruins do nosso relacionamento, eu me desdobrei tempo inumeras vezes pra tentar fazer ele feliz e se sentir melhor mesmo que meu emocional estivesse pior ainda, já que na época eu tive depressão e até mesmo me automultilava pra tentar resistir a dor que eu sentia) No meio das conversas ele disse que eu era IDIOTA E TROUXA por ter comprado 2 skins no LoL de presente pra ele, o que custou uns 60 reais do meu bolso e ficou se exibindo por ter ganhado de mim skins bonitas e de patente alta no jogo (ele nunca me deu um único presente em dinheiro, nunca comprou nada pra mim e eu nunca cobrei isso dele pq dizia que o importante não eram presentes caros e sim oq ele sentia por mim, oq pelo que eu vi era um sentimento falso). Nesse momento, eu fingi que não era a ex dele e que só era uma pessoa ali no meio e entrei no meio da conversa, tentando ao máximo não atacar ele pq eu já tava PUTA de raiva, mas sabia que atacar e xingar ele não resolveria nada, então só disse que não achava saudável as pessoas atacarem outras e chamarem elas daquela forma, principalmente se essa pessoa era uma ex e tinha feito parte da vida dele, que ele deveria ter um pouco de respeito pelo que a pessoa tinha representado pra ele. Pois bem, o Zarls TIROU ONDA doq eu disse e afirmou que a ex dele era só uma louca que sentia ciúmes sem motivo dele com a amiga lésbica dele (eu realmente senti ciúmes dele com a melhor amiga dele, apesar de ela ser lésbica, mas não era pq eu achava que ele ia me trair com ela, e sim pq quando ele estava com ela, ele não me dava atenção NENHUMA, NEM UM PINGO, ZERO, UM VÁCUO DE ATENÇÃO, e isso não aconteceu uma ou duas vezes, acontecia direto, eu reclamava com ele, ele dizia que ia mudar mas nunca mudava) aí eu tinha ficado nervosa, perguntei se "a ex" dele tinha algum problema psicológico pra sentir ciúmes compulsivos dele (pq foi oq ele disse que eu sentia, aiai) aí ele só disse que ela só tinha depressão (pelo menos uma verdade), e eu falei me vitimizando um pouco, isso eu confesso, que talvez ele não tinha tratado ela como deveria, já que ela tinha depressão os sentimentos dela nunca seriam 100% normais pq existia muita insegurança e coisas do tipo, e disse que se ele tivesse oportunidade de conversar com "ela", seria bom que ele pedisse desculpas pra ela, pq se "eles" tinham terminado, claramente a culpa não era só dela, e sim dele também (não tiro de mim a culpa pelo meu relacionamento ter dado errado, sei que cometi erros também, mas eu sempre me esforçava pra mudar eles, coisa que eu nunca vi ele fazendo) e mandei ele ter mais respeito pelas pessoas e parar de falar mal de ex'es dele na internet no meio de um monte de desconhecidos que provavelmente nem conheciam ela, pq isso era falta de respeito e que o relacionamento era uma coisa que ele tinha que resolver pessoalmente com ela, e não ficar explanando a vida dela pra gente desconhecida. Pois bem, uns 10 minutos depois disso aparece mensagem dele no meu Whatsapp, mensagem privada mesmo, dele me mandando parar de fazer drama no grupo, sendo que era ele quem estava lá me apresentando como uma louca e ele como o santo que não fez nada de errado, mentiroso do krl. Perguntei como que ele tinha conseguido meu número e ele disse que tinha pegado o número sabe com quem? Com aquela melhor amiga lésbica dele (vou chamar de Karen, que se dizia minha amiga também e eu tinha desabafado com ela dias antes disso e ela parecia me apoiar e não a ele que tinha literalmente ME TRAÍDO), nessa hora fiquei puta com os dois, com ele por ter mentido muito sobre mim e com ela por ter dado o meu número pessoal pra uma pessoa que eu claramente não queria que tivesse o meu número sem nem me perguntar antes. Quando ele me reconheceu e mandou mensagem no privado, eu disse pra ele pra parar de ser infantil, que essa atitude dele não se fazia ainda mais com uma pessoa que tinha perdido 2 anos da vida dela por causa dele e que ele sabia muito bem que tinha depressão e que poderia muito bem se matar depois de um absurdo desses que ele tinha feito simplesmente pra parecer o "bonzão", falei que fui muito trouxa de ter acreditado que um dia ele gostou de mim, falei que ele era um fingido desgraçado e que não merecia nem um único segundo que eu gastei com ele e nem um único centavo que eu tinha gastado com presentes pra ele, falei que esperava algo mais decente vindo dele e que depois de não ter nem tido a iniciativa de me pedir em namoro por si próprio (ele me pediu em namoro pq uma amiga aconselhou ele a fazer isso), esperava que pelo menos no término ele agisse como homem e não como uma criança que só queria atenção. Falei que ele não merecia a mulher que eu tinha sido pra ele, e que como ele era um mentiroso crianção de MERDA e não respeitava nada doq eu fui pra ele, na verdade ele não merecia mulher nenhuma. Bloqueei ele depois de ele pedir desculpas da forma mais genérica possível e disse que antes de fuder o psicológico de outra garota, ele precisava primeiro crescer e tentar ser uma pessoa melhor. Fui conversar com essa amiga dele que deu meu número pra ele e ela confirmou que fez, mas ficou se fazendo de vítima e depois me bloqueou também, acho que tinha me livrado de uma boa, pq se ela tinha me metido a facada nas costas uma vez, ela poderia fazer de novo futuramente. Não acho que ela tenha se arrependido, mas enfim, foi isso que aconteceu. Depois de um tempo me arrependi um pouco de ter fingido ser outra pessoa pra fazer essas coisas com ele, mas não sei julgar se foi injusto, por isso deixo o julgamento com vocês. Eu fui babaca ou não fui?
PS: Na época eu tirei prints das conversas no Whatsapp, mas eu troquei de celular e não consegui salvar as fotos, e tbm não achei elas no meu Google Fotos pra confirmar, mas vou continuar procurando. Se eu achar tento colocar aqui no post ok? Beijos lindos menorquetreiss
submitted by Oshi_neah to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.21 20:43 Wooden_Statistician3 Tudo que falo só piora e só queria que voltasse a ser como era antes

Desabafo. Há alguns meses casei, depois de menos de um ano de namoro. Apressado? Com certeza. Mas as circunstâncias meio que pediam. Ela veio de uma família extremamente quebrada e tóxica. Vivia sozinha há alguns anos, dependendo de auxílios de faculdade, parentes que só sabiam reclamar de estar ajudando, etc. Ela tem depressão profunda, e não tinha nem como se tratar.
Quando a conheci ela estava namorando, mas um namoro só de fachada, pois na verdade ele era abusivo e não deixava ela terminar, sob ameças contra a própria vida por parte, e à vida dela por partes de parentes dele. Durante boa parte da sua vida, a chamaram de feia, estranha, etc. Na faculdade as coisas mudaram, e começaram a enxergar a sua beleza, ficou com vários, mas sua auto-estima baixou tanto ao longo da vida que ela aceitou namorar com essa cara, sem nunca de fato querer, e acabou presa nesse relacionamento por mais de 2 anos.
Eu só tive uma namorada, há mais de 10 anos, e um crush forte até alguns anos atrás, o qual acabou em inimizade total. Sempre percebi que não era interessante pra nenhuma garota, na aparência, e nunca tive qualquer desenrolar pra "chegar". Depois de namorar, tomei gosto, e tentava. Porém do meu jeito tímido e, claro, ineficiente. Anos disso me fizeram perceber que não havia porque eu ficar insistindo em "achar alguém", se fosse acontecer seria no dia-a-dia normal, ou quando eu realmente me melhorasse como pessoa. Foquei então na minha educação e no profissional.
Um dia ela, ainda em namoro abusivo, falou comigo pelo Whatsapp, tarde da noite. O meu racional dizia pra eu ir dormir, pois a pessoa responsável e profissional dorme cedo e acordar cedo (ou assim deveria, pelo que dizem). Mas algo me fez querer falar com ela, mesmo que ainda de forma um tanto fria, admito. Papo vai, papo vem. Como parecia ser só uma amizade, eu falei abertamente com ela, inclusive quando ela perguntou de relacionamentos/crushes passados.
Semanas depois, ela termina o namoro e diz que gosta de mim. Pela primeira vez em muitos anos volto a sentir aquilo que senti no primeiro namoro. E ficamos, e namoramos, e tudo foi muito intenso. E então casamos, para que ela pudesse ter acesso ao meu plano de saúde como dependente e tratar, principalmente, da depressão, pois várias noites a vi chorar pelo seu passado que ainda atormenta o seu presente: ela não consegue nem mais estudar e boa parte das tarefas domésticas ficam pra mim. Mas havia tudo pra melhorar, não havia? Infelizmente, tudo mudou um dia.
Ela acordou e disse que sonhou que eu falava que eu achava aquele meu crush forte (Fulana) de alguns anos antes mais bonita que ela. Depois de algumas horas, como se perguntasse algo banal, ela perguntou se achava mesmo. O problema: eu considero a Fulana bonita, mesmo nível, mas o sentimento que existe é pela minha esposa e, obviamente, ela me é "a mais bonita". Mas ela não aceitava esse tipo de resposta, ela queria que eu respondesse de forma crua. Eu, que sempre procuro ser honesto, correspondi. Como considero as duas de mesmo nível, foi difícil. Conseguia lembrar de momentos onde uma estava mais bonita que outra, mas não chegava a "vencer". Uma certeza eu tinha, e continuo tendo, minha esposa tem a maior capacidade, ou seja, consegue ser a mais bonita. Mas ainda assim minha resposta não foi suficiente: ela dizia que eu estava enrolando, com medo de dizer a verdade. Não entendi do que deveria ter medo afinal, pra mim, a resposta mais direta e crua não fazia a menor diferença nos meus sentimentos para com ela. E, se eu estivesse raciocinando direito eu teria percebido a armadilha bem ali na minha frente, mas eu caí nela quando ela novamente exigiu a resposta direta e crua: ou ela ou a Fulana. E eu falei a Fulana.
E, de repente, ela começou a me atacar. Dizendo que eu acho a Fulana "linda e maravilhosa" e ela feia (quando pra mim ambas tão no mesmo nível, e pra mim ela vai ser sempre a mais bonita, pois é ela que eu amo). Que meu sonho era que tivesse dado certo com a Fulana, mas que ela foi o que deu (quando ela, e somente ela, que conseguiu reacender meus sentimentos, mesmo quando tudo dizia que não valia a pena sonhar com isso (afinal ela tinha namorado, etc.). Eu tentava explicar meus sentimentos, mas nada adiantava. A frustração, a angústia tomou conta e então, a raiva. Raiva de como algo que estava morto no passado, voltou pra me assombrar. Raiva de que algo completamente irrelevante no meu presente, e portanto nosso presente, estava ali, destruindo nosso casamento. Pois ela começou a querer ir embora, anular casamento, se separar. E na tentativa de melhorar as coisas, eu sempre piorava. Acabei falando palavras (que pra mim não teria tanto significância se ela dissesse), mas infelizmente pra ela tinha: disse que ela estava sendo "idiota" por insistir tanto nas afirmações desses ataques e desconsiderar completamente o que eu sinto e falava. Só estava tendo "amenizar" a situação, segundo ela. E que no fundo, eu queria alguém """melhor""" que ela.
Isso foi uma tarde. Ela eventualmente parou quando percebeu o quão mal eu estava. E claro que eu estava. A pessoa que eu amo e por quem eu faço tudo, praticamente "inventou" um motivo pra me atacar. E daí que numa análise crua e racional, naquele ponto específico da história, a Fulana havia "vencido" no concurso de beleza entre as duas. Grande bosta. Minha esposa continuava sendo bonita, e pra mim e meu amor, a mais bela. Era ela que realmente havia gostado de mim, era ela que quis casar comigo, era ela que me acompanhava nos filmes de sábado à noite, era ela com eu me via vivendo pra sempre do lado. E de repente, parecia que nada mais disso iria se tornar realidade e por quê? Por algo que nem ao menos mudava o que eu sentia em relação a ela e nunca iria.
Durante o final da noite, eu tentei dormir, mas não conseguia. Tentei assistir vídeos de "como lidar com a pessoa amada em depressão". E ela começou a chorar do meu lado, muito. Larguei o vídeo, abracei-a. E ali as gentes se aceitou novamente. Ou assim parecia, porque poucos minutos depois, ela pergunta, inocentemente, se eu acho minha irmã mais bonita que ela. E o fato é, se eu dissesse que não seria uma bela duma mentira, e mesmo que eu achasse, ela diria que eu estava falando aquilo só pra agradar. E eu, O idiota, achando que estava tudo bem de novo, respondi que sim. E novamente ela começou a me atacar. E POR CAUSA DA MINHA IRMÃ!?
Atualmente eu me considero forte pra aguentar essas coisas, mas não dava mais. Ela quebrou minhas defesas com esses ataques. E tudo que ela me falava soava como "EU TE ODEIO". E eu aceitei esse ódio dela, pois, afinal, ela devia estar certa. Eu sou uma pessoa com 30 anos, aparência ok, mas que não tem amigos e só teve uma namorada antes dela. É óbvio que tinha algum problema, o problema de que eu era detestável. Eu sempre tentei demais ser prestativo e tudo mais, mas quando o assunto são sentimentos eu nunca consegui transmitir isso. Abraço minha mãe quatro vezes ao no: aniversário dela, o meu, dia das mães e natal. Sempre um abraço bem "desengonçado". Eu noto isso, mas sempre foi assim, e eu não sei mudar. Eu sei o que eu sinto, mas minha demonstração é e sempre vai ser insuficiente. E por isso todos ou acabam por me detestar ou se afastar de mim. Mas eu realmente pensei que com ela seria diferente.
Alguns dias se passaram e as coisas até foram melhorando. Até que cai tudo de novo. Ela conta pra uma pessoa, que mal conhece, que eu achava que ela na praia não ficava tão bem quando dentro de casa. Sim, eu havia falado algo do tipo, quando no começo da discussão ela pedia pra eu ser mais direto. Oras, ela tem umas manchas, gordurinhas a mais, etc. do que a fulana. Eu me sinto menos bonito do que um cara que não é assim, mas nem por isso me acho feio, ou ache vou sempre ser inferior. É só eu cuidar disso. E se não cuido, é porque tenho outras prioridades. Da mesma forma com ela. Não acho ela feia, nem menos bonita, só relatei o óbvio. E se ela não quiser cuidar, ou não conseguir cuidar, não é problema pra mim. Eu casei com ela pelo pacote completo. E assim como eu, ela também vai com o tempo perder pontos na aparência. E assim como eu, espero que ela ainda me ame, ainda me ache bonito, com eu continuarei amando ela e achando bonita. Mas não importa eu falar isso. Pois ela quer sempre dizer que tudo isso que eu falo é balela, enrolação, agrados, etc.
Pelo meu jeito detestável de demonstrar sentimento ela perdeu totalmente a confiança nos meu sentimentos, a ponto de nada o que eu falo valer mais. Ou talvez, no fundo, ela espera que eu seja pra sempre tão bonito quando ela acha atualmente, e quando eu não foi mais, ela vai me trocar por alguém que envelheça melhor. Mas se eu falo isso pra ela, ela bate o pé pra dizer que pra ela é completamente diferente, que o sentimento dela é real, mas que o meu? O meu é de mentira, porque assim ela decidiu. E ela ainda diz que eu mereço alguém ""melhor"". Mas o fato é, que ela se estiver certa, o que eu mereço é desaparecer. Pois o meu eu que ela odeia, é o único eu que existe. E se ela não é capaz de amar esse meu eu, e insiste em brigar, está mais que na hora de ela admitir o que está bem na frente dela: ela não me ama. Não mais. Só espero que não tenha sido nunca. Porque pior que ver tudo se destruindo e não poder fazer nada, pois nada do que eu falo impede, pelo contrário, piora, e ficar calado não é opção, então que pelo menos não tenha sido tudo uma mentira.
E hoje ela do nada veio falar que tá com medo de engordar, pois, segundo ela, eu falei que iria querer outra se assim acontecesse. Eu nunca falei isso, assim como nunca falei outras coisas com as quais ela vem me atacando. Mas o pouco que eu digo, se transforma num muito na cabeça dela. Eu não aguento mais. Eu peço pra ela parar, mas ela insiste em, nas palavras delas, "me colocar contra a parede pra botar as verdades pra fora". Mas do que adianta isso, quando ela já decidiu o que é verdade e o que é mentira? Nada, e por isso eu só queria que ela parasse. Que não pelo amor que ela supostamente sente por mim, mas pelo menos em consideração a tudo que eu fiz por ela.
Pois agora eu já não sinto nada. Um nada que não me permite nem ao menos dizer o que sinto por ela. Mas enquanto eu quero acreditar que ainda amo ela, ela insiste. Eu novamente pedi pra ela parar, e afirmei que não sei mais se gosto dela, mas que se ela realmente me ama, ela tinha que parar, e me deixar sentir novamente. Mas meu medo é que ela continue (ela está passeando com uma amiga nesse momento), pois se ela continuar o pior vai acontecer. O amor vai virar ódio. A vida vai virar morte. Figurativamente (apesar de temer, e muito, que aconteça literalmente para ela).
submitted by Wooden_Statistician3 to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 03:22 boninha QUEM É O BABACA (AVISO DE GATILHO: abuso psicológico)

CONTEXTO: A casa dos meus pais é um lar extremamente tóxico e sofri diversos tipos de abusos, e os dois tem problemas psicológicos e ficam inventando milhares de doenças que eu supostamente tenho. Por causa disso sofri muito com eles durante toda minha via, não podia ter amigos ou sair de casa e vivia praticamente trancada. Além de revirarem meu quarto, esconderem e jogarem fora roupas minhas e objetos. Quando entrei pra faculdade em 2019 ela me obrigou a trancar por não aceitar meu namoro com o Carls (nome fictício) e não me deixou ver ele (eu morava duas cidades de distância dele e da faculdade então ia de fretado).
.
Eai turma, lubisco, editores, gatas e papelões. Minha história é bem complicada e pesadinha então coloquei um aviso de gatilho no título. É uma história longa mas vou resumir o máximo possível.
Quando eu fiz 18 anos em Outubro de 2019 eu decidi que eu queria sair de casa assim que começasse janeiro de 2020, então eu, meu namorado Carls e meu ex melhor amigo Barls (obs. éramos amigos há 4 anos e ele sabia o que eu passava em casa) e u namorade dele Arls planejamos juntos como seria meu processo de mudança. Depois que o ano novo passou eu fui arrumando minhas coisas cada dia um pouco e ia escondendo as mochilas no guarda-roupa e debaixo da cama, ficou combinado que eu ficaria na casa do meu amigo barls por um tempo (que era numa cidade vizinha) e que eu poderia ficar DOIS MESES lá enquanto entregava currículo com meu namorado a procura de emprego e depois disso iria para a casa dele (guarde essa informação).
O dia tão esperado chegou e eu chamei minha "mãe" (odeio chamar ela assim então vou me referir a ela como cobra) e conversei com ela que uma amiga minha e colega da facul iria me buscar e me levar para e iria sair de casa. Eu admito que não foi da melhor forma de se fazer as coisas mas eu estava realmente desesperada para sair daquele lugar o mais rápido possível e fiquei com medo de que se ela soubesse antes ela iria me impedir de ir. Enfim, eu que não queria que ela soubesse onde eu ficaria inventei uma história junto com meus ex amigos e namorados de que eu iria ficar na casa du Arls até um apartamento de SP que eu iria dividir apartamento com outra amiga desocupasse. Obviamente a cobra não caiu no feitiço e fez um milhão de perguntas e eu fui me esquivando delas até que minha amiga chegou pra me buscar. Enquanto eu colocava as malas no carro + a gaiola e a minha coelha a cobra tirou FOTO da placa do carro da menina e pegou o número dela (obs. ela não sabia de muita coisa e só estava lá pra me dar carona) e partimos em viagem rumo à casa do Barls.
Chegando lá a familia dele me recebeu muito bem, só que depois de alguns dias o barls me disse que eu teria apenas QUINZE dias para ficar lá, sendo que já ele havia me confirmado que eu ficaria 2 meses e se eu soubesse disso antes eu teria ido direto para a casa do meu namorado, e como se não bastasse a amiga da faculdade contou pra cobra que eu menti e ela começou a me ligar várias vezes ao dia e chegou a ir no apartamento do meu ex amigo QUASE DE MADRUGADA querendo que eu descesse. E MAIS, barls, que sabia de tudo que eu passava ficava me perguntando várias vezes se eu tinha certeza das coisas que aconteceram comigo, se eu tava mentindo pra ele etc. E eu descobri que ele e a cobra estavam SE CONVERSANDO VÁRIAS VEZES AO DIA e planejando entre si pra que eu voltasse para casa.
Os dias foram passando e faltava 2 dias para eu sair desse meu amigo e ir pro Carls e minha irmã (cobrinha 2) me mandou mensagem falando que estava na portaria do prédio e que era pra eu descer (sendo que nesse dia ela já havia me ligado e eu falei que não queria ver ninguém pois estava triste e eu já tinha encontrado eles dois dias antes e tinhamos ido comer e conversar e tudo tinha ido bem naquele dia. O barls falou que ia descer comigo e nós tinhamos discutido então o clima entre nós não estava legal, enfim descemos e adivinha: ELA NÃO TAVA SOZINHA UAU. Com ela estava um tio irmão da cobra que não sabia nem quantos anos eu tinha, a minha irmã cobrinha 2 e a cobra. Eles começaram a falar que queriam me levar pra comer e conversar comigo e com meu amigo e queriam ficar me abraçando e "nossa como nos te amamos" , e eu com muito mal gosto fui com eles até uma pizzaria e lá eles queriam saber onde eu ficaria depois do Barls, e eu me neguei a falar porque não queria que eles ficassem aparecendo na porta dos meus sogros de madrugada do nada e sem avisar e também não contei ao Barls pq sabia que ele me caguetaria. E foi ai meu amigo que acendeu a primeira fagulha de um incêndio enorme. Eu que não sou boba nem nada saquei que o clima tava estranho e mandei mensagem pro meu namorado para que ele entrasse em ligação comigo porque eu achei que algo ruim aconteceria.
Voltamos para o prédio do meu amigo e foi lá que aconteceu a primeira merda. Eu já fora do carro, a cobra me puxa pelo pescoço e junta mais a cobrinha 2 e o tio pra me por no carro a força Dizendo "agr vc vai embora cmg", me pegaram pelas pernas, quase tiraram minha roupa e me deixaram roxa nas pernas. Eu obviamente me debati e fiz força pra me defender e entrei em completo desespero nessa situação, gritei para o meu celular para que meu namorado chamasse a polícia E nisso a cobra queria pegar meu celular e pra fazer ela me soltar eu mordi o braço todo dela, mas mordi com vontade mesmo e não me arrependo pra ser sincera. E aí uma das vizinhas que me escutou gritando chegou e me pôs pra dentro do prédio pra me ajudar e disse que entendia minha situação por que ela também passou muito perrengue com família e enquanto isso a cobra batia desesperada na porta de vidro da portaria. Nisso a polícia chegou e um policial mt bonzinho falou cmg e me acalmou e disse q ela n tinha pq fazer isso e n era direito dela, que eu era maior de idade e tinha direito de tomar minhas próprias decisões, nisso, eles me levaram pro upa de tanta insistência da cobra que dizia que eu estava doente e fora de mim e no upa ela mostrou uma série de documentos meus de HPV que eu fiz o tratamento, FOTOS MINHAS NUA IMPRESSAS, prints de conversas de whatsapp, foto do meu namorado fumando maconha de 7 anos atrás etc e falou pro médico que estava de plantão se ele escreveria uma recomendação para um HOSPITAL PSIQUIATRICO (sim você leu certo) e ele fez, pra melhorar ainda mais a minha situação o médico SE NEGOU a falar comigo e quando consegui trocar duas palavras com ele ele me ignorou e me cortou completamente e disse pras enfermeiras me darem 3 AMPOLAS DE CALMANTE. Sim. Eu levei 3 injeções de calmante na bunda e olha que eu não estava em nenhum tipo de crise, só estava chorando. Não me deixaram ir no banheiro e fiquei molhada de mijo kk esperando a auta.
Aí quando me deram alta eu liguei pro Barls em desespero e ele disse "n quero me meter nisso"e falou pra eu ir com eles e como eu não tinha escolha fomos pra saída (eu dopada e morrendo de medo e repulsa) Um amigo meu da facul q mora na mesma cidade (vamos chama-lo de anjo) apareceu pra ver se tava tudo bem e tentou conversar com a família de malucos e entender o que estava acontecendo.E nisso o tio, irmão da cobra EMPURROU ELE e chamou ele de "neguinho" e de "ze ninguem" (Sim ele é negro) e ficou ameaçando bater nele, dizendo que ele tinha uma faca. Aí o meu salvador vulgo meu namorado chegou e confrontou eles e foi só ele chegar que baixou o capiroto na cobra, ela ficou maluca, começou a me segurar e me arrastar pela blusa, saia, quase me enforcou com o braço. Ela tava realmente fora de si ali, chegou inclusive a bater no meu namorado (eu tenho video desse acontecimento e o audio da ligação pra provar que eu to falando a verdade). Ela ficou gritando muito alto que era pra me dopar mais, então eu pedi ao Carls pra ele chamar um uber pra gente fugir dali e quando ele chegou q eu fui correndo veio a cobrinha 2 e SE JOGOU na minha direção e caiu no chão (Ela jura de pé junto q foi o Carls q empurrou ela mas sinceramente se fosse esse o caso eu estaria parabenizando ele), Aí meu namorado subiu em cima dela pra eu entrar no carro mas o uber decidiu se mandar e a polícia chegou novamente (Obs. estava de madrugada), a cobra tirou os documentos sem sentido dela de novo e falou pros policiais que eu não conseguia pensar por mim mesma e que era autista e tenho sinais de esquizofrenia (sendo que ela ja pagou mais de mil reais em um exame de uma neuropsicologa comprovando que eu não sou esquizofrenica ou autista e que só tenho depressão e ansiedade de 3 anos atrás) e disse que meu namorado e o amigo dele são maconheiros e que queriam me tirar dela. Ai o general veio e ALGEMOU o meu namorado e o anjo, sendo que eles não estavam cheirando ou com nenhuma droga, se negou a pegar depoimento deles E O MEU e os levou PRA VIATURA e falaram pra seguir eles pra delegacia**.**
O dia amanheceu na delegacia e eu que estava passando mal pra caramba, não conseguia manter o olho fechado ou movimentar meu corpo, praticamente desmaiei no carro enquanto eles falavam com os policiais, estes que liberaram a gente e eu não tive contato com meu namorado.
"Acordei" era horário de almoço em outra cidade pra entrar no hospital psiquiátrico. A psiquiatra que estava lá falou coisas básicas comigo, viu que eu estava dopada e falou pra eu esperar no corredor dos enfermeiros, e voilá veio um deles e falou que eu estava internada agora. Sim, pois é. Fiquei 27 dias internada em um lugar horrível e passei 2 dias inteiros dormindo quando cheguei. Vi pessoas tentando se matar, tendo ataques de panico, e não tinha nada pra fazer a n ser ficar deitada o dia todo, e quando tinha era por 1 hr só. Fiz amizades com algumas pessoas lá, o que me ajudou bastante a superar a situação, e como os enfermeiros eram extremamente grossos e batiam em alguns pacientes, meio que os pacientes que se ajudavam entre si além dos psicólogos. Lá a cobra tentou convencer a psicóloga que eu era autista, ela obviamente não caiu no papo dela, e ela mais a psiquiatra me ajudaram o maximo que podiam a convencer a cobra de que eu não sou um animal de estimação e tenho direito a ter minha vida.
Quando tive alta do hospital, com muito medo e dor fui pra casa da cobra, liguei pro meu namorado que estava sem noticias há 27 dias (tinham inclusive dito pra mim que ele tinha sido preso, o que era mentira), fiz minhas malas rapidamente, entrei no uber que ele chamou e vim direto pra casa dele, onde estou morando hoje em quarentena ne por causa do vírus cuzao.
Sou a errada por depois de tudo isso querer contato 0 com a minha "família"? O que vocês fariam se estivessem na minha situação?
submitted by boninha to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.11 14:15 icecream2x Tapa na cara com frase de efeito

Oi luba, editores, gatas (sem psih psih pq tenho medo, desculpa) e turma
Então minha história começou um pouco antes das férias do final de ano de 2016, eu fazia faculdade em outra cidade, então todas as férias eu voltava para a casa dos meus país, acontece que eu tinha começado a ficar com uma menina (Carls) um mês antes das férias, eu gostava bastante dela, mesmo não namorando oficialmente a gente não ficava com outras pessoas, ela era super de boa, eu tinha muitas amigas na época e ela nunca tinha demonstrado ciúmes. Até que ela veio me visitar durante as ferias, tudo estava indo bem até que no dia que ela iria embora eu recebi uma mensagem da minha ex (quando a gente namorava eu era muito apegado a irmã mais nova dela de 7anos, e bem raramente ia brincar com ela e tinha avisado a Carls sobre isso, minha ex estava namorando e com uma filha do cara), eu nem abri a mensagem pq queria ficar com ela, mas ela viu a notificação, depois disso ela ficou muito estranha e pior que quando eu perguntava ela dizia que não tinha nada. Durante umas duas semanas todo dia ala brigava, por motivo de que eu não ficava o dia todo no wpp e respondia pouco ela, sendo que sempre fui assim e ela sempre foi super de boa, até q a gente conversou por skype e ela finalmente me falou que era por causa da mensagem, e mesmo que ela sabendo que era só sobre minha cunhada ficou chateada por eu não contar (eu acabei não indo lá), eu pedi desculpa disse que não foi minha intenção esconder, mas que não ia mais rolar, Acham que isso resolveu algo???? É não, tudo contínuou na mesma e todas as brigas estavam fazendo toda aquela vontade de conversar ir diminuindo até chegar ao ponto que ela me chamar me desanimava, pq sabia que logo aquilo iria virar uma briga, eu realmente gostava dela e meio que entendia a insegurança dela, já que estávamos muito distantes e ela ter passado por um relacionamento meio merda antes, então decidi pedir ela em namoro por mensagem mesmo, já que faltavam quase dois meses para as aulas voltassem ainda, eu pensava que ia ser bom ela poder conta com esse compromisso, mas só durou dois dias e tudo voltou, segurei a barra por uns dias mas não aguentava mais, eu queria ficar com ela mas parecia que tudo que eu sentia estava desaparecendo. Foi ai que eu decidi pedir um tempo disse que eu não iria ficar com ngm e que só precisava respirar mesmo, eu queria muito tentar conversar quando as aulas voltassem e resolver as coisas estando na mesma cidade, mas foi ai que ela virou uma nice girl, ela direto me mandava mensagem dizendo que eu não amava nem a mim, que eu jamais seria feliz porque eu afastava todos, e mais um monte de coisas. Até que a gente voltou para a faculdade, no primeiro dia já nos encontramos e conversamos, eu expliquei pra ela minha intenção com o pedido de tempo e que realmente queria tentar algo quando eu pedi, mas como ela não havia respeitado mas sim aumentado o problema eu não tinha condições de tentar algo, não seria algo sincero. Com ela próxima o problema só aumentou, ela me caçava nos roles para tentar voltar, inventava mil desculpas para ir na minha casa, chegava bêbada de role, fazia um joguinho de tal pessoa queria ficar cmg mas não sabia oq fazer e depois começava a me atacar chorando, mandava nude do nada, alguma dessas vezes a gente acabou tendo uns 3 remembers, mas eu sempre deixava claro que no momento eu não conseguia ter algo sério. Até que chegou o dia do tapa, eu e o cara q morava CMG fomos em um role só pq a NET tinha caido em casa, fazia quase um mês do ultimo remember, chegamos meio tarde pq de primeira não iriamos, e já tava todo mundo muito louco, a menina q ficava com esse meu amigo estava passando muito mal, então logo que chegamos já ficamos ajudando ela e nem bebemos nem nada. Até que a Carls alcoolizada virada no demônio me vê na festa, a partir desse momento eu não tive mais nenhum minuto de sossego, ela ficava tentando me beijar, quando estava sentado ela sentava no meu colo e fechava meu braço pra abraçar ela, até ai suave, mas ela começou a "cuidar" da menina, ela balançava a cabeça da menina, ficava enfiando o dedo na goela dela e sempre q a gente tentava fazer alguma coisa ela só gritava -cala a boca você não cuida nem de você e coisas do tipo, então pedi para Carls ir buscar uma agua para a menina, ela foi e voltou chorando. Na hora perguntei oq tinha acontecido, ela falou que um cara a puxou pelo braço, encoxou e passou a mao na bunda dela, na hora eu fiquei perguntando quem tinha sido e ela dizia que não iria dizer, pq eu iria arrumar confusão (ela tava certissima), mas depois de um tempo insistindo prometi q não iria fazer barraco e só iria falar com o pessoal da atlética, nessa hora o papo mudou de não vou falar para não vi, tipo eu não queria duvidar disso, mas depois de tudo q passei com ela acho q ela inventou essa história, então eu só conversei com ela dizendo que o cara era babaca, mas ela podia tentar não dar mais poder para ele e tentar seguir com o role,mas ela não parava de falar nisso o tempo todo, mas oq eu poderia fazer alem de tentar apoiar??? Até que fui levar a menina no banheiro para tentar sair um pouco de perto, já que ela continuava tentando me beijar meio que a força. A Carls foi atrás depois de alguns segundos e entrou no banheiro com a menina, nisso esperei em um banquinho, até que ela sai correndo do banheiro e esse foi o dialogo
Eu - Esta tudo bem? Aconteceu algo com a Ana(nome fictício para a menina que tava passando mal) Carls - Ela esta bem, mas que showzinho é esse que vc estava dando lá fora?? Eu - Que show, você ta tentando ficar comigo a força, me agarrando parecendo que quer marcar território e eu que to fazendo show Carls - Hey me fala agora o que você quer comigo Eu - Carls a gente já conversou varias vezes eu não quero nada Carlos - Tu é homem para me comer mas não é homem para me defender, enquanto me dava o maior talão na cara Nesse momento eu já levantei e disse que aquele dia não iria mais falar com ela, mas ela me segurou pelos bracos chegou até a tirar sangue com as unhas, até q a Ana chegou nos abraçando e eu consegui fugir, depois disso ela continuou mandando nude do nd no snap e MSG toxica no wpp, depois ela jogou um copo de corrote em mim enquanto eu passava também
Desculpa a historia longa, mas é que as vezes eu acho que fui babaca por pedir ela em namoro e pelos remembers, as vezes acho que eu só acabei fazendo o que eu podia para tentar manter um relacionamento abusivo mas deu errado, bom me ajudem a entender, se ler isso brigado por todo entretenimento luba
PS: Meus amigos que sabem dizem que ela foi muito louca e que não fui, mas eles são meus amigos né...
View Poll
submitted by icecream2x to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.09 07:30 Lulix_ PrImEiRa VeZ, “sou troxa”

turmafeira

Hello lubisco, gatas, editores, papelões, possível convidado e turma que está a ver, irei contar uma história que aconteceu a um tempo atrás Bom, eu estava namorando um menino ai, vou dar o nome de Gabriel, tinha uma menina que ele tinha ficado no passado e ela não gosta de mim e vou dar o nome de Raquel um certo dia ele disse que queria um tempo e eu acertei obvio, aí beleza, no mesmo final de semana ia ter uma festa a fantasia e eu ja tinha comprado meu ingresso pra ir, cheguei na festa, segurei vela a noite inteira e tinha uns meninos querendo ficar comigo, eu trouxa do jeito que sou não fiquei com ninguém e dancei até o mundo acabar mas enfim, no dia seguinte acordei vendo minhas amigas me chamarem, achei e estranho e fui ver os status, quando olhei vi que o Gabriel e a Raquel estavam no cinema sozinhos, fiquei malzona, mais tarde ele me manda mensagem falando que minha amiga tinha dito que eu fiquei chateada e tals, ele me disse não tinha rolado nada e que eles não ficaram e que só saiu com ela porque achou que eu tinha ficado com alguém na festa (a famosa vingança) eu não acreditei mas segui a vida, ele ainda falava comigo e pedia pra voltar e eu falava que não era o momento, passou alguns dias e teve uma apresentação, no final dessa apresentação, me empurraram e ele me beijou na frente de TODO MUNDO (deu o maior B.O), acabou a apresentação e ele me pediu em namoro em uma festa que a gente foi, a trouxa aqui aceitou de novo, o tempo foi passando e as coisas não estavam dando muito bem, antes da gente terminar ele me ligou e começamos a conversar, ele começou a soltar um monte de coisa, ele disse que no cinema ele pegou sim a Raquel e que na apresentação, antes da Raquel entrar no palco, ele tinha beijado ela também, então ele beijou eu e a Raquel no mesmo dia, eu fiquei com raiva mas me segurei, conversamos mais um pouco e desligamos, deu 30 minutos que desligamos, ele posta no status DELE um Lomotif da Raquel com a seguinte legenda “que isso🥵” Na hora eu fiquei puta da vida e mandei mensagem pra ele falando que estávamos namorando a 3 meses e ele nunca tinha postado nada comigo e que ele postava coisas com a Raquel direto, ele falou que foi um desafio e que ele foi obrigado a postar pela amiga dele que sabia que ele namorava comigo e que eu e a Raquel não nos damos muito bem (mas na verdade ele postou porque quis, ninguém é obrigado a postar algo que não quer) Ele falou um monte de merda pra mim, disse que eu tava com ciúmes obsessivo (sendo que eu não podia falar com os meus amigos que ele ja ficava com raiva e não falava comigo pelo resto do dia), mandou eu tomar no cu, um monte de coisa e falou que tinha acabado Depois de um tempo conversando e tínhamos acabado mesmo Hoje em dia nos falamos mas só pra perguntar coisas da aula ou quando ele responde os meus status Ele toda hora fala que se arrependeu, que me ama e que ainda quer voltar comigo, mas eu só ignoro Essa não é a história completa mas foi Foi isso lubinha <31 Ajuda ai turma
submitted by Lulix_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.09 00:35 Mikaiah_Ocean A treta no casamento

Olá olá lubinha, falecidos papelões, editores, possível convidado e turma que está a ver. Baixei o app só pra te contar o mico que eu passei na frente de familiares, juntamente com lavação de roupa no meio do casamento dos meus tios e outras coisinhas.
Pois bem, esta história começou quatro meses antes do casamento dos meus tios de consideração por parte de pai. Na rua onde meu pai mora, o pessoal é bem amigo sabe, daquele tipo que se um faz um churrasco no quintal, vem todos os vizinhos da rua inteira participar, mesmo sem terem sido convidados.
E então tinha esta casal que estavam juntos desde 2010, eles eram muito fofos, a gente até chamava eles de casal do ano ou casal exemplo por que eles cuidavam um do outro e tudo mais. Os dois também sempre foram muito amigos do meu pai, tanto que até acomparanhram meu crescimento e se tornaram meus tios de consideração, eram parte da minha família e praticamente meus melhores amigos.
Tava tudo indo muito bem, eles sempre diziam sobre se casar um dia e que queriam que eu fosse a daminha, e eu me sentia A importante é claro kkk. Porém, em 2018 surgiu um boato de que o Farls estava traindo a Carls com a amiga da própria Carls, os boatos eram que eles tinham um lance antes do casal perfeito começar a namorar, mas depois ele e essa "amiga" tiveram uma briga feia por causa de ciúmes e, como uma forma de vingança, o Farls pediu a Carls em namoro pra irritar a "amiga", que acabou se afastando dele e ele se apaixonou pela Carls e por isso continuaram juntos, mas agora, a "Amiga" Havia voltado querendo reatar os laços. Mas não passavam de boatos é claro, considerando que estavam juntos a muito tempo e dava pra ver claramente que se respeitavam e se amavam de verdade. As fofocas aumentaram e de boca em boca eles sempre colocavam algo a mais. Na terceira vez que eu ouvi a história já estavam dizendo que a mulher misteriosa estava grávida, e depois disseram que viram os dois na porta do hospital e que ela estava com uma barriga enorme, que provavelmente foram ver o sexo do bebê. Enfim, depois de um tempo eu parei de ouvir por que parecia mais fake que tudo.
Até que um dia, no aniversário da minha priminha. A Carls e o Farls chegaram, e logo atrás vinha uma mulher que a gente não conhecia. Ela não estava grávida nem nada, mas a Carls apresentou ela como sua melhor amiga. Durante o aniversário, as vizinhas ficavam cochichando nos cantos sobre a cena toda e os boatos voltaram. Até que alguém acabou falando alto de mais e a Carls ouviu tudo, ela ficou muito puta e disse que ela e Farls eram unidos e que ele nunca faria isso. Obviamente uma discussão começou por que a vizinha ficou ofendida com o tom de voz da Carls. Porém durante toda a briga, o Farls e a melhor amiga não se pronunciaram nem pra defender a Carls na discussão.
Depois disso, o pessoal continuou falando, e as vezes falavam alto de propósito pra Carls escutar. Ficou um clima bem chato entre eles e eu estava achando aquilo tudo uma grande babaquice por que, se você tem tanta certeza que fulano esta traindo fulana você não vai ficar espalhando para Deus e o mundo, mas sim ir direto na pessoa e dizer isso a ela, ou não dizer nada. As coisas ficaram ridículas, tão ridículas, que durante a festa de ano novo na nossa rua, o Farls pediu a Carls em casamento. Foi tudo muito lindo principalmente por que ele disse: "nós já conseguimos consquistar tantos sonhos, já está na hora de consquistar o melhor de todos os nossos sonhos não acha? " Fofo sim, mas foi dessa frase que uma tia minha, disse no meio de todos os aplausos e gritos para os noivos, mas que ainda sim deu pra ouvir: "olha só ele finalmente escolheu um lado" Insinuando que ele fez isso apenas para acabar com os boatos.
4 meses se passaram e o casamento chegou, eu ia ser a daminha, levaria as alianças para os noivos logo atrás da minha priminha que jogaria as rosas. Quando chegamos lá pra arrumar as coisas, eu vi a "melhor amiga" Chegando com uma criança, a criança parecia ter a minha idade e altura, e uma cara de nojo como se não quisesse estar ali. Todo mundo achou estranho ela ter sido convidada, mas depois de um tempo pararam de falar sobre isso. Quando chegou a hora de levar as alianças, eu estava me sentindo muito kk, tudo estava lindo e meu pai estava chorando mais que os noivos. Minha priminha estava jogando as rosas na minha frente e eu estava carregando uma almofada pequena com os anéis, até que, no meio do caminho, a garota com cara de nojo botou o pé na minha frente e eu tropecei, as alianças voaram pra longe no meio da grama e eu cai de boca na cabeça da minha priminha, derrubei ela e a cesta no chão com todas as pétalas, e pra piorar ainda mais, senti que meu vestido subiu um pouco e provávelmente eu mostrei mais do que deveria, se é que me entende. Em quanto eu me levantava da cabeçada que dei na criança, eu ouvia uma gritaria atrás de mim, quando me ajeitei eu lembro de ouvir:
"RIDÍCULA!!! Sua filha botou o pé na frente dela! " E depois eu ouvi: "É lógico que não! Ela nem se mecheu! " Mas tudo piorou quando alguém soltou: "Você nem deveria ter vindo, deve ter pedido pra ela fazer de propósito pra estragar o casamento do cafajeste ali! "
Começou uma lavação de roupa entre as tias, vizinhas e a mulher que supostamente era a amante do noivo. Aquele foi o momento que todas se uniram pra dizer o boato, com a intenção de fazer ela ir embora, mas esquecendo que a família da noiva E A NOIVA estavam logo ao lado. Eu lembro de no meio da guerra, me arrastar no chão junto com a minha prima procurando as alianças, eu achei uma e a minha prima a outra. Nós nos levantamos e fomos perto das madrinhas e foi quando eu pude ver o caos de perto. Naquele ponto, a família da noiva não sabia dos boatos e entrou no meio da briga acreditando neles para defender a noiva. E o noivo? Bem, ele ficou parado vendo tudo. Eu vi a Carls correndo pra fora do altar chorando muito, e o Farls, até pensou e ir atrás dela, mas daí eu só lembro de ver todo mundo indo pra cima de duas mulheres que depois eu descobri que eram a suposta amante e a mãe da noiva. As duas estavam pegando no cabelo uma da outra e quase se jogaram no chão tipo MMA.
No fim, o casamento foi cancelado e os noivos deram um tempo um do outro, a Carls se mudou por causa do trabalho dela e o Farls ainda mora na casa que era deles. A melhora amiga nunca mais apareceu e tudo o que minha família lembra de tudo isso até hoje é da minha saia subindo e da dentada que eu dei na coitada da minha prima que caiu quase desmaiada no chão.
Perdão pelo textão lubinha, tentei resumir o máximo que pode kk, espero que tenha gostado. Bjs pra tu e pra tia Carminha <3
submitted by Mikaiah_Ocean to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 22:19 Zaratrin o ex futuro namorado babaca da minha irmã

oi Luba, gatas, possível convidado que nunca tem, papelões mortos
F
Minha irmã ficava com um guri desde o ano passado, eles ficavam sério, ele mandava papo de futuro e tals, queria até conhecer a mãe dela, queria namorar com a minha irmã. Ele falava que não tinha ninguém além dela, chamava ela de mandraka, uma gíria do funk eu acho, ele falava q estava apaixonado, dizia q largou todos os corres dele pra ficar com ela. Minha irmã acreditava, lógico, ninguém imaginou que alguém poderia ser tão cuzão ao ponto de tratar dessa forma, falando q queria ela na vida dele e tals, pra no final só estar iludindo. Ele surtava com tudo, com os amigos, com lomotifs, mas ela tbm não era calminha não, mas ela sim tinha motivos pra surtar com ele. Eu ajudava ela, dava conselhos, eu mesma acreditava q ele era boa pessoa, não conseguia entrar na minha cabeça q alguém poderia ser tão babaca em fazer tal coisa, mas ele fez. Mas como é babaca, ele dava papo de futuro em outras minas tbm, aí um dia rolou uma festa, e o guri pegou 4 meninas enquanto ela não foi, e ele falava q só foi nessa festa para pegar a minha irmã, sendo q a dona da festa dizia estar casada com ele, pq ele tbm dava papo nela e iludia ela
Minha irmã cagou pra ele a festa inteira depois q a amiga falou oq ele fez, uns amigos desse guri vieram chamar ela, falando q ele queria ficar com ela, mas ela mandava eles tmnc e voltava a curtir. E lá tinha alguns guris que minha queria ficar (ela não é santa, mas não fez nada, diferente dele).
Minha irmã descobriu q ele dava em cima de várias, deu em cima até de mim, enquanto ele cuidava da garota q dizia estar casada com ele, ele ficava mandando beijinhos para ela. Ai depois da festa minha irmã mandou mensagem perguntando o pq dele estar falando aquilo, ele fez a egípcia, dizia q não sabia, tava se fazendo de santo. Ele ligou e surtou, falando q ela não confiava nele, que não sei oq
Então ela cansou dele, ele mentia pra ela, e ela se cansou. Então, umas 3 semanas depois da festa ela começou a conversar bem mais com o amigo dele, no mesmo dia da festa ele mandou uma mensagem dizendo "eu não tirei o olho de você, não fiquei com ninguém querendo ficar só com voce", (e ele realmemte não tirava o olho dela, era até meio bizarro, ela passava e ele a seguia com os olhos) e ele parecia mais interessado nela doq o babaca, a conversa fluiu, ele parece está interessado e ela tbm. Mas o babaca, vamos chamar ele de Carls, voltou, xingou ela de tudo quanto é coisa, e xingou o garoto q ela está conversando tbm, vamos chamar ele de Varls
Carls foi no wpp dela e a xingou muito, e muito msm, ela o bloqueou e ele foi no dixx dela reclamar por ela não ter seguido ele de volta no insta, ele parou de seguir. Depois de um tempo sem se falarem alguém ligou para ela, ela atendeu, era ele num número desconhecido, ele começou a se desculpar, falou q ela era a garota da vida dele, que ele amava ela e blá blá blá, ela disse que não queria mais nada com ele, que não queria saber dele e tals
Ela jogou um monte na cara dele
Aí o Carls perguntou se ela estava ficando com o Varls, ela disse que sim, ele mandou ela ir se fuder, falou um monte de merda
Ela desligou e ok
Alguns dias sem nenhum sinal do Carls, ela recebeu uma solicitação de um garoto chamado Carls Junior, aceitou e começou a conversar, o papo fluiu de boa, ele era até legal. Então ela postou um story no insta para mandarem perguntas para ela, e o Carls Junior mandou "tem Whatsapp?", ela respondeu no privado q sim, ele pediu pra ela passar e ela passou, começaram a conversar. Ai ele mandou no wpp "tá ficando sério com alguém?" ele mandou isso do nada, no meio de uma conversa qualquer, ela já ficou com uma pulga atrás da orelha "pq ele foi tão direto assim?" Ela pensou. Ela falou q estava sim e ele perguntou com quem, ela mandou a real, e perguntou pq ele estava fazendo essas perguntas, e então ele mandou "porra (nome fictício pra ela), você tá ficando com meu amigo, filha da puta", era o Carls, o babaca da historia, ela parou de responder, e ele começou a fodelância de palavras, falou mais merda q eleitor defendendo político. Depois disso tudo, ele ainda teve a cara de pau de chegar na """"melhor amiga"""" (varias aspas pq né, falsa cof cof, talarica cof cof) dela pra pedir pra ficar, pra tentar causar ciúmes na minha irmã, sendo q ele chamava a amiga dela de talarica, dizia que nunca ia pegar ela, mas na primeira oportunidade de atingir minha irmã, ele foi
A amiga não aceitou, pelo menos isso (mas em outra ocasião com certeza aceitaria). Mas não deu em nada, ela nem quer mais saber dele, ela está bem com o Varls, mas o Carls não larga do pé dela, Varls ainda desceu o cacete no Carls pra ele deixar de ser escroto, mas não adiantou, ele continua procurando minha irmã pra xingar ela, ele não superou. Acho q não desiste pq ele foi regeitado, e não pq regeitou, deu pra entender?
Ele é o babaca?
um mês depois ele começou um namoro com uma amiga da minha irmã, e aquela garota que ele tava casado no começo de tudo, lá na festa, tbm estava ficando com o mlhr amigo dele. Então, os dois melhores amigos dele estavam praticamente namorando as minhas q ele agora não consegue esquecer
ah, e essa menina que o Carls namora, minha irmã já pegou
submitted by Zaratrin to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 08:10 Lulix_ Primeira vez aqui e bla bla. “Sou trouxa”

turmafeira

Hello lubisco, gatas, editores, papelões, possível convidado e turma que está a ver, irei contar uma história que aconteceu a um tempo atrás Bom, eu estava namorando um menino ai, vou dar o nome de Gabriel, tinha uma menina que ele tinha ficado no passado e ela não gosta de mim e vou dar o nome de Raquel um certo dia ele disse que queria um tempo e eu acertei obvio, aí beleza, no mesmo final de semana ia ter uma festa a fantasia e eu ja tinha comprado meu ingresso pra ir, cheguei na festa, segurei vela a noite inteira e tinha uns meninos querendo ficar comigo, eu trouxa do jeito que sou não fiquei com ninguém e dancei até o mundo acabar mas enfim, no dia seguinte acordei vendo minhas amigas me chamarem, achei e estranho e fui ver os status, quando olhei vi que o Gabriel e a Raquel estavam no cinema sozinhos, fiquei malzona, mais tarde ele me manda mensagem falando que minha amiga tinha dito que eu fiquei chateada e tals, ele me disse não tinha rolado nada e que eles não ficaram e que só saiu com ela porque achou que eu tinha ficado com alguém na festa (a famosa vingança) eu não acreditei mas segui a vida, ele ainda falava comigo e pedia pra voltar e eu falava que não era o momento, passou alguns dias e teve uma apresentação, no final dessa apresentação, me empurraram e ele me beijou na frente de TODO MUNDO (deu o maior B.O), acabou a apresentação e ele me pediu em namoro em uma festa que a gente foi, a trouxa aqui aceitou de novo, o tempo foi passando e as coisas não estavam dando muito bem, antes da gente terminar ele me ligou e começamos a conversar, ele começou a soltar um monte de coisa, ele disse que no cinema ele pegou sim a Raquel e que na apresentação, antes da Raquel entrar no palco, ele tinha beijado ela também, então ele beijou eu e a Raquel no mesmo dia, eu fiquei com raiva mas me segurei, conversamos mais um pouco e desligamos, deu 30 minutos que desligamos, ele posta no status DELE um Lomotif da Raquel com a seguinte legenda “que isso🥵” Na hora eu fiquei puta da vida e mandei mensagem pra ele falando que estávamos namorando a 3 meses e ele nunca tinha postado nada comigo e que ele postava coisas com a Raquel direto, ele falou que foi um desafio e que ele foi obrigado a postar pela amiga dele que sabia que ele namorava comigo e que eu e a Raquel não nos damos muito bem (mas na verdade ele postou porque quis, ninguém é obrigado a postar algo que não quer) Ele falou um monte de merda pra mim, disse que eu tava com ciúmes obsessivo (sendo que eu não podia falar com os meus amigos que ele ja ficava com raiva e não falava comigo pelo resto do dia), mandou eu tomar no cu, um monte de coisa e falou que tinha acabado Depois de um tempo conversando e tínhamos acabado mesmo Hoje em dia nos falamos mas só pra perguntar coisas da aula ou quando ele responde os meus status Ele toda hora fala que se arrependeu, que me ama e que ainda quer voltar comigo, mas eu só ignoro Essa não é a história completa mas foi Foi isso lubinha <31 Desculpa pelos erros
submitted by Lulix_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 03:17 MrBlue2040 UMA PAIXAO COMPLICADA

Opa eae Luba e turma
me chamo Blue prazer este e minha primeira vez no reddit entao n sei como funciona
primeiramente sou muuuito seu fa ksks e la vamos com a historia

bom tudo comecou com eu indo pra um evento da igreja pra ficar com uma menina (sei que to errado) so que acabou n dando certo pq ela tava namorando entao acabei por ficar com a irma dela (to parecendo mo galinha ne ksks) entao dps do dia que ficamos eu e essa garota (vamos chamar ela de ROSA) começamos a conversa todo santo dia (E SERIO) eu tava amando falar com ela sabe conhecer mais ela (AH ela tmb namora mais e aberto, e essa foi minha primeira vez ficando com alguem que namora) so que eu ja n tava criando tanta experança por ela namorar mais acabei que por meses falando com ela contando segredos e ouvindo acabei por me apaixonar entao fui direto e perguntei se ela tava sentindo algo tmb e ela disse que sim que realmente tava pensando em ter algo cmg (AAAAH o namorado dela e um famoso NICE GUY - exemplo no dia de aniv de namoro deles ele n queria nem olhar na cara dela por ela n querer dar pra ele) entao eu e ela resolvemos esperar ate um dia pra esperar a reposta dela se ela iria querer eu ou ele (so que era mt chato, ela sempre ia pra casa dele sempre falava dele) tanto que eu acabei falando que ia desistir mais dentro de min eu n tinha desistido eu ja chorei por issso ksks e dps disso ela decidiu continuar com ele por eu ter desistido mais continuamos na amzd so que dps ela continuou mandar video dela com ele e tipo parecia proposital man e era chato pra carai eu chamei ela de burra por sofrer com ele ele n da valor que ela merece e ai tivemos uma briga pq ela falou que so contava oq ele fazia com ele e n oq ela fazia com ele e falou que ela fazia a mesma coisa e dps disso resolvemos nos distanciar e recentemente voltamos a nos falar e sabe eu sou virgem e nois tava marcando sabe mais dps me botei no lugar do nice guy manooo fiquei mo na bad pq eu n sabia se fazia isso ou n entao paramos de nos falar dnv
agora a pergunta MAXIMA
eu fiz certo?
OBG POR LER BJUUUS
submitted by MrBlue2040 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.27 15:35 sonic_star_2 Eu queria que as pessoas acreditassem em mim, vissem que eu mudei e mudo a cada dia, mas ninguém parece enxergar

Eae pessoal, tudo bem? eu venho procurado um sub de desabafo e acabei achando esse, e aqui espero que as pessoas me entendam e q eu me sinta melhor compartilhando minhas agonias, essa é minha primeira postagem, então se eu fizer alguma coisa errada me desculpem. Dsclp tbm se ficar meio grande
Bom, a umas semanas atrás eu terminei com a minha "namorada" (A gente n era "namorado", a gnt se gostava e ficava e tal, era tipo namoro mas ela sempre disse q tava mais pra um "a gnt se ama, mas n é nada sério e tal") e eu não tava conseguindo aceitar que tudo tinha acabado, eu amava ela demais e ver ela gostando e postando coisas sobre outra pessoa tinha me deixado meio pra baixo e frequentemente eu passei a conversar com ela sobre como eu tava me sentindo, enfim, passou um tempo e semana passada eu falei com ela de novo sobre a gnt e tal, e no fim da conversa ela falou que ela realmente não sabia mais o que falar, q a gnt já tinha conversado sobre isso e se fosse pra falar comigo sobre esse assunto iam ser as msm coisas, q é algo que não é saudavel pra nenhum dos dois, pq eu to gostando de outra pessoa e vc fica chateado me vendo com outro, então se fosse pra continuar com essa conversa ela ia só me ignorar e voltar a fazer as coisas dela. Na hora eu vi que eu tinha feito merda por n ter aceitado aquilo, e eu tive um flashback e pedi desculpas, que eu não queria que ela tivesse se sentindo assustada por que eu sempre fui um cara de boa com todo mundo e nessa vez até eu me surpreendi pq aquele cara não era eu, eu sempre sou delicado com as palavras e sempre procuro entender todos os lados, mas dessa vez foi diferente...
Eu pedi desculpas logo em seguida e falei q eu nunca pretendi ser rude com ela, ou sla, fazer ela ficar desconfortável, ela é uma pessoa super importante pra mim pra eu fazer algo do tipo, visto q eu sempre me preocupei com o bem estar dela, ela falou "Eh, okay, então eu vou voltar a fazer minhas coisas aqui, boa noite :/" e eu fiquei mt chateado, eu tentei chamar ela depois mas ela n me respondia, eu mande umas músicas pra ela ouvir e falei que eu ia mudar de verdade, e só depois de várias horas ela falou: "BLZ blz, tudo bem, eu só quero relaxar agora" e sla, parecia q tava tudo bem. No dia seguinte eu conversei sobre tudo isso com minha mãe (pq eu e minha mãe temos uma relação mt próxima, eu conto tudo que acontece pros meus pais, eu n tenho nenhum preconceito falando com eles), e ela me falou que as pessoas vem e vão na sua vida, então que não era pra levar muito a sério, e teve mais coisa q eu n vou escrever aqui se não vai ficar gigante, mas ela falou no geral q ia ficar tudo bem e tal, que n era pra eu me apegar mt a essas coisas pq as pessoas vem e vão, tudo na vida é passageiro e são ciclos, e acho que por isso ter saido da boca da pessoa que eu mais admiro nesse mundo me tocou de um jeito diferente, eu botei na minha cabeça que tudo passa e sla, era provavelmente uma dor passageira, enfim, as palavras dela com as da minha mãe meio que me fizeram acordar, eu me senti realmente mudado depois de conversar com ela, ent liguei pro meu amigo que mora no meu prédio pra conversar sobre isso, quando alguns momentos antes da gnt se ligar a minha "ex" me chamou, perguntando se tava tudo bem comigo, e eu falei que sim, e que tinha escrito um texto de desculpas e tal, que eu realmente tava me sentindo mudado, de verdade, eu tava ficando de boa comigo mesmo depois de ser "acolhido" pela minha mãe, e falei que a dura que ela me deu provavelmente foi boa pra eu acordar, se não eu taria me doendo até agora, sabe? Que eu tava conseguindo me distrair melhor com meus amigos e tal, que as coisas tavam fluindo bem pra mim, eu não sentia o mesmo, parece que tudo realmente se "concluiu", sem remorso. Ela também pediu desculpas pelo dia e tal, e ai a gnt conversou um pouco e parecia tar tudo certo.
Eu entrei pra conversar com meu amigo e ai dps de várias horas conversando e nos divertindo eu entrei pra falar com ela e eu vi que ela tinha me bloqueado nas redes sociais q a gnt usa, menos no Whatsapp e no Instagram (q é por onde a gnt se fala geralmente, mas no Instagram ela privou o perfil e me tirou dos seguidores), e eu fiquei meio "Putz vei", na hora eu fiquei meio chateado pra falar a verdade, mas eu entendi e n me senti mt chateado e tal, eu meio q aceitei na minha cabeça que as coisas da vida são ciclos, e que tem gente que vem e vai, nosso relacionamento tava sendo e foi igualzinho ao do filme 500 Dias Com Ela, sem tirar nem por, foi quase 100% fiel sabe? Passou uns dias da gnt conversando um pouco (tamo conversando bem menos, sla, acho q eu n sinto mais necessidade de vir com coisas novas td hora, apesar de eu gostar mt de falar com ela eu converso com ela quando realmente quiser, não falar algo só pra não deixar a conversa morta sabe?) e eu resolvi perguntar se ela ainda tava chateada comigo, pq eu vi que eu tava bloqueado e tal, e ela falou que tipo, eu fui meio estúpido e "assustador" naquela hora, e que ela falou com uns amigos dela (Inclusive um deles q é um talarico """amigo""" meu q no começo da relação tentou ficar com ela sabendo q eu gostava dela só pq sim, ele é assim com tds as meninas q eu gosto, ele dá algum jeito de descobrir com quem eu to conversando e se meter na vida delas, só que dessa vez eu briguei com ele pq eu me cansei de ele roubar toda santa vez minhas namoradas, e dessa vez deu certo pq ela viu q ele era meio tóxico e falou q n ia ficar com ele, eles só voltaram a se falar no meio desse mês pq eles são amigos {por mais q ele seja meio idiota} e pq ele falou que sentia saudades de conversar com ela e tal depois dele postar uns poemas em homenagem a ela, mas eles nem conversam tanto). Esse cara falou pra ela coisas tipo: "Olha as coisas que ele manda pra vc, que ele posta, ele tá doente por você caralho, só vc n ta vendo", e ela me disse que isso aliado as coisas que outros amigos dela falaram sobre a nossa conversa fez ela ver e sla, me bloquear, pq isso já aconteceu com umas outras pessoas que gostavam dela e ela teve que bloquear pq tava malucas por ela, e ela não queria que isso acontecesse comigo.
Na hora eu falei que eu realmente tava mudado (o que eu realmente to) mas que entendia 100% se ela não quisesse me desbloquear, e ai ela falou q ia esperar esses "ânimos" passarem pra ela me desbloquear, até pq os amigos dela ficaram meio preocupados com ela e tal. Desde antes de ontem eu tentei falar com ela normalmente como sempre, mandando meme e conversando sobre a vida e tal, mas ela tava me ignorando (até ai de boa, pq ela faz isso e mts amigos meus tbm, ent de boa com isso, é meio chato qnd isso acontece mas de boa, sem problema algum) mas dessas vezes eu queria conversar com ela pq eu gosto de falar com ela (Eu to chamando ela bem menos, mas de vez em quando eu gosto de conversar com ela pq eu amo falar com ela, ela me entende e com ela eu consigo ser aberto sobre tudo, é incrível falar com ela), mas ela tava ignorando minhas mensagens chamando e tal.
De novo, não é algo que me deixa triste pq ela e mts amigos meus fazem isso, ent de boa até ai, só fiquei meio chateado por que eu vi que ela tinha postado coisa no perfil dela e curtido uns posts de amigos, então acho que ela não queria conversar comigo. Eu quero q ela veja q tá tudo bem comigo, q eu realmente não preciso dela e que eu finalmente entrei em conciliação comigo mesmo e que eu to partindo pra outra, mas q eu só n quero parar de falar com ela pq ela é importante pra mim, q na hora eu perdi a cabeça e ta tudo bem agr, mas parece q as pessoas n tão vendo com os mesmos olhos q eu. E agora entra o título do post, eu tive um certo pensamento depois disso pq sla, eu sinto que comigo as pessoas não conseguem acreditar q eu mudei, ou que as pessoas assumem coisas sobre mim sem saber, eu n sei explicar.
Um exemplo: eu fiz por esses dias um teste pro meu colégio sobre espectro político (n sei se vou ser julgado por opniões políticas aqui kkkkk, mas foca na história), e tipo, meus ideias sempre foram Liberalistas, liberdade de indivíduo, livre mercado, etc. Só que quando eu fiz o teste deu que eu era de Centro (eu não tinha entendido algumas questões direito e admito que acabei respondendo algumas de forma errada, tanto que mais pra frente eu refiz o teste e deu dessa 2ª vez q eu era liberal), eu mandei a foto pro pessoal e a primeira coisa que eles apontaram foi "Caracas, o Matheus é o que teve maior porcentagem de autoritarismo", por isso eu falei q o teste tinha dado meio errado, pq eu como liberalista prezo sempre pela liberdade individual de cada pessoa. Eu falei q isso dai tava meio errado pq eu era liberal e eles falaram "iiiiii ó o cara vindo com desculpinha" e ai entra o negócio que me deixa mais triste, parecem q sla, n vêem que as pessoas mudam. Por mais que eu já tenha apoiado uma visão mais autoritarista, eu mudei, minhas opniões mudam ao longo do tempo, mas por mais q eu tente me justificar, eles ainda não veem nos meus modos q eu mudei
Eu n sou o mesmo de 1 ou 2 anos atrás, 1 ou 2 dias atrás, 1 ou 2 segundos atrás, as pessoas estão sempre em constate mudança, igual diz Heráclito: "Não se pode tomar banho duas vezes no mesmo rio", Tudo flui. Na próxima vez que me banhar no rio, nem o rio será o mesmo, nem nós seremos os mesmos, mas parece q as pessoas n veem isso.
Eu refiz o teste, deu liberal dessa 2ª vez, deu muito mais liberal do que autoritário e eu tentei me justificar, dizendo que eu não tinha entendido algumas questões e tal (o que é verdade), só q essa merda de opinião ainda fica na cabeça das pessoas "Quem tenta se justificar é pq ta com medo de ser aquilo mesmo q chamam ele", ai eu falei com eles e tal, mas é isso q eu to falando, n só nesse caso pq agr com o da minha amiga tá dando pra ver isso acontecendo: Eu tenho certa apreensão, n é nem medo pq eu meio q ja aceitei q se ela sair da minha vida tudo bem, é a apreensão de q sla, ela tenha uma imagem errada sobre mim e n consiga ver q eu realmente mudei, e quanto mais eu tento me justificar parece q para as pessoas essa "impressão errada" q elas tem fica só mais aparente :(
É tipo: Deu q eu sou autoritário ali no teste, por mais q eu tente provar q eu n sou e prezo pela liberdade, as pessoas vão falar "Iiiiiiii, se ta falando de mais é por q ta com medo de assumir" só q mano n é nada disso, e eu n sei fzr com q as pessoas entendam isso, ngm sabe o que ta na minha cabeça, mas quanto mais eu tento me mostrar transparente eles sla, ignoram, n sei explicar velho, isso é mt chato pq eu posso ser 100% honesto com os meus amigos q eles n veem q eu mudei. Com a minha amiga eu sei que eu sempre pude falar com ela sobre tudo e sempre fui 100% honesto com ela, e ela sempre pareceu me entender, só q agora parece q sla, eu to com medo dela ficar igual meus amigos, pensar q eu só to falando q ta tudo bem de verdade e pra ela n me odiar e parar de falar comigo. O problema é q sla, mesmo eu falando q tá tudo certo de verdade, ninguém parece acreditar, é foda, eu queria q as pessoas vissem pra mim e falassem "Ó cara, eu reamente acredito q tu mudou", mas n é o q acontece. Eu to realmente 100% de boa com ela, apesar de eu estar chateado pq ela ainda n me desbloqueou e me ignorar de vez em quando, mas eu quero acreditar q isso vai vir com o tempo, eu só fico meio sla, triste pq eu me mostro transparente com as pessoas e elas falam "Po, vc n é assim n kkkkkkkk". CARALHO VELHO, ELAS TÃO NA MINHA CABEÇA POR ACASO PRA SABER COMO EU TO? PRA FALAR COMO EU SOU? ELAS SABEM MAIS DE MIM DO QUE EU MESMO PORRA? NÃO!
Então eu acho q as pessoas tinham q sla, começar a ver o mundo do mesmo jeito q eu passei a aceitar e acreditar mais nas pessoas depois de um tempo (sla, por mais q aquele meu amigo talarico por exemplo tenha se desculpado comigo, eu sei q de verdade ele ainda tá puto pq n deu certo ele roubar minha namorada dessa vez e quer me fuder {ele fala mt merda de mim pra ela, sempre falou na verdade, e justamente por isso ela deixou de falar com ele por um tempo}, mas mesmo assim eu n vou insistir e ficar debatendo, se ele disse q realmente mudou mas n mudou, ele só vai estar mentindo pra si mesmo, fazer os outros acreditarem que ele é legal pra depois quebrarem a cara, sabe? Ou sla, outras coisas q acontecem q eu acredito realmente na mudança das pessoas sabe? Eu queria q as pessoas me vissem com os msm olhos q eu vejo elas, vendo q as pessoas mudam, mesmo q sla, em um pedaço pequeno de tempo, como foi comigo q demorou menos de 2 dias pra eu conseguir aceitar q tudo acabou e tirar minha amiga da minha cabeça
Outro e último Exemplo: Eu tava pra editar um vídeo de um amigo meu lá q falou pra eu fzr o vídeo ficar engraçado pra ele postar. Eu nunca recusei fzr essas coisas, sempre q meus amigos precisam de algo q eu posso ajudar eu ajudo, só q dessa vez eu realmente tava sem inspiração pra editar, elaborar as piadas do video, tlgd? eu n tenho agora a msm "engraçadez" de um tempo atrás, e eu falei isso pra ele: "Olha, desculpa, eu posso tentar mas eu n to mt com idéia ultimamente pra editar vídeo, eu n to mais conseguindo fzr os ngc engraçado, então se n ficar engraçado de boa?", e tipo, ele falou "N po, de boa, entendo 100% como é, mas vc consegue cara", e tipo, sla, esse amigo meu foi super de boa, mas tenho certeza que se fosse com alguns outros q eu tenho eles iam falar "Caralho, então vc ta falando q n quer editar pra mim? sendo q tu ta ultimamente editando uns videos de memes curtos? (eu tenho um canal no ytb e agr na quarentena eu to postando direto uns vídeos curtos engraçados q eu edito, já q eu n to com cabeça pra editar vídeos longos e elaborados, sabe?) isso pra mim é desculpinha pq n quer editar pra mim" tlgd? e sla mano, isso é idiota de mais kkkkkk pq por mais q eu tente mostrar e fazer eles entenderem q sla, eu n to com cabeça pra editar vídeo msm, elaborar piada ultimamente, eles n entendem velho, e isso é uma bosta pq parece q é de propósito. Se fosse eu no lugar deles eu provavelmente ficaria sla: "Po qq ta acontecendo com vc? quer ajuda? eu ajudo a editar se quiser" ou "Po te entendo perfeitamente, tudo bem, outro dia se tu ficar melhor pode fazer, mas se n quiser sem problemas :3" sabe? Eu queria q as pessoam vissem como eu me sinto por dentro, ou que eu mudei minhas opiniões e jeitos, mas quando eu tento mostrar as vezes nem funciona e sla, o pessoal ignora, queria que vissem q eu realmente mudei, mas n vou forçaempurrar q eu mudei pra eles, eu quero q as pessoas enxerguem q eu realmente mudo a cada dia, mas sla, as pessoas n parecem ver isso
Provavelmente se esses meus amigos vissem q eu postei esse texto aq eles iam falar "iii olha lá, o cara tá fazendo draminha, ta postando no reddit só pra provar q ele mudou, e quem tenta provar as coisas de mais é pq ta com medo de estar errado"
É foda :/
submitted by sonic_star_2 to desabafos [link] [comments]


2020.02.18 05:24 Zavelins Comecei a ficar com um cara e queria ter um relacionamento sério, porém ele não é assumido e agora finge que é hétero, o que fazer?

Então, eu sou bi e tipo, conheci um cara no facebook e tals e sabe aquela pessoa que vc olha e acha que é areia demais pro seu caminhãozinho? Então, eu nunca achei que teria alguma chance com ele. Porém um dia teve um sarau na minha cidade, e aí eu encontrei ele lá, e sério eu e ele bêbado já queria fazer tudo ali pq achei que seria minha última vez que encontraria com ele. Mas aí no outro dia eu achei o Insta dele e ele me seguiu de volta, aí eu vendo isso já fui direto no direct chamar ele pra partir pra cima, até pq minha colega disse que ele era bi, e ok, fui lá e tals e já no primeiro dia de conversa ele já tava querendo saber quando a gente ia sair, e eu depois de alguns dias marquei um role com ele pra gente beber e se conhecer melhor, mas aí já vi que ele não queria nada de exposição, pois fez com que eu encontrasse ele num ponto da cidade às 1 da manhã, e eu disse que beleza, até pq pouco tempo atrás eu não era assumido e pensei que daria mais liberdade para nós dois ali sozinhos para fazer o que quiser. Chegando no dia a gente se encontrou e tals (ele até chegou e me deu um baita susto fingindo que era um assalto, demos risada por um bom tempo), daí só começamos a beber a vodka que eu comprei e beleza, como a nossa cidade é pequena nós falamos de todo o pessoal conhecido nosso, e foi bem boa nossa conversa, mas aí uma hora o álcool iria fazer efeito em nós e pronto, foi eu ficar um pouco mais tonto que o normal que eu já fui abraçando ele e tals, e aí ele começa a querer transar, fomos para um ponto mais escuro pra ter certeza que ninguém veria a gente aquelas horas e aí... só foi, transamos ali mesmo e cá entre nós foi bom só para ele, eu mal consegui penetrar ele e pra mim foi bem ruim mesmo, mas enfim... fomos pra casa depois de um bom momento abraçados enquanto eu dava carinho nele, e por fim se despedimos com um longo beijo (agora deem a nota pra fanfic ksadjak zoa, queria que fosse, porém isso ainda tá rolando :/). Mas aí que começa a desandar as coisas, pq quando eu cheguei eu mandei mensagem perguntando se ele chegou bem em casa e que gostei do tempo que a gente passou juntos (isso tudo na madrugada pro natal), e ele simplesmente não me responde mais, e eu perguntava pras amigas dele e elas falavam que por ele passar o natal com a família ele não entrava muito no celular, até aí ok, entendi bem e esperei, as vezes ele responderia depois do natal... que nada, passou dias e nada e eu cada vez mais desesperado pq eu queria saber dele a todo momento e eu mandava mensagem perguntando se eu fiz alguma coisa e tals e eu só via ele online sem visualizar nenhuma das minhas mensagens. Fiquei bem triste por um tempo, mas aí do n a d a já nesse Fevereiro, ele vem e me chama com um "Oi amor" no Insta e eu fiquei tipo "han?", mas tá, só isso já foi o suficiente pra eu me iludir e responder ele na maior vontade do mundo, e aí já acabamos marcando de sair outra vez, mas agora pra eu desabafar com ele sobre os lances de eu me assumir que acabou que um monte de gente ficou sabendo da minha sexualidade, e tá, meia noite fomos num clube aonde ele era sócio e entramos lá sem ninguém ver a gente, sentamos em umas cadeiras e ficamos lá mexendo no celular e conversando mais um pouco, e eu sempre tomando a iniciativa de tudo fui e chamei ele pra sentar no meu colo, ele meio questionando veio e beleza, fiquei ali abraçando ele forte e fazendo carinho nele, e enquanto isso ele começa a olhar as fotos dos amigos dele na minha frente e dizendo "Nossa, ele é muito gostoso" "esse me chamou pra deitar com ele na cama e eu só n vou agora pq não tem como eu sair da cidade já", (notas no meio do post: eu tenho 17 anos e ele 15), e eu fiquei muito triste aquela hora, só que o pior de tudo foi quando eu perguntei pra ele qual é o padrão dos meninos que ele gosta, e ele me dizendo que precisa ser sarado e tals (tudo padrão mesmo), e nessa hora eu fiquei ali me perguntando "qq eu tô fazendo ainda abraçando ele assim como se eu amasse ele? Ele não deve ter nenhum interesse no meu corpo, então deve tá me usando só como passatempo?" e eu na hora não fiquei tão mal assim, até pq depois de um tempo nós fomos para uma outra área do clube e acabou que transamos ali de novo. Acabando tudo, a gente se da ideia que tinham duas câmeras filmando a gente ali, e ele ficou muito assustado com medo de vazar algum vídeo dele ali. Aí fomos para casa, e nem se falamos mais. Daí minha amiga, que já sabia que eu era bi, disse que ia me ajudar a fazer ele me amar e tals (quase fomos em uma macumbeira, e ainda quero muito ir, não sei se vou), e tá, nesse fim de semana ela mandou mensagem pra ele dizendo "vc vem aqui em casa hj pra ficar com ele?" daí ele respondeu "com ele? claro que não" "mas por vc meu amor, eu vou até a lua", aí nessas horas eu já não sabia de mais nada, fiquei movido como um saco de bosta, aquilo me quebrou por dentro, até pq ela achava que ele não era bi e sim gay mesmo. E aí meio que foi isso, além de no Insta eu sempre ver ele interagindo com os outros amigos dele de forma bem carinhosa e tipo as minhas coisas ele nunca nem curtia, daí agora ele meio que tá comentando essas fotos dos amigos dele de uma forma mais de "hetero" mesmo kajsdkj tipo "lindo bro", e sério, eu não sei mais oqq eu faço, se eu continuo achando uma forma de fazer ele gostar de mim ou partir pra alguma coisa mais pesada (macumbeira né), pq eu sei que se eu me desapegar dele não vai ter outra pessoa por aqui na minha cidade que vá querer sair comigo e que eu tenha o mesmo interesse que eu tenho por ele, e namoro online está bem fora de cogitação. Me ajudem, o que eu faço?
submitted by Zavelins to desabafos [link] [comments]


2020.02.15 00:50 AlfaAoExtremoOFICIL (O jogo virou) #turmafeira

turmafeira

Oi Luba, EDITORES e turma que estÁ a ver
(+×)O JOGO VIROU(×+)
Tudo começou quando eu estudava no sexto ano, no meio do ano entrou uma menina nova na minha sala e eu fiquei muito feliz, pois donada eu senti é amor q primeira vista. Como toda criança de 11 anos eu não consequi me conter então contei para minha amiga o que estava acontecendo, ela ficou chocada e ficou do meu lado só que eu não ficava olhando muito para ela e sim só um pouco para disfarçar. Depois de um tempo a menina começou a me evitar, como: parou de falar comigo, parou de me emprestar coisas e só ficava me olhando. Eu não sabia o que tinha acontecido, mas no recreio meu amigo falou uma coisa para mim disse que "a minha amiga era a prima da menina que eu gostava e ela contou tudo, contou que eu falava dela , que eu compus uma musica para ela e que eu ia pedir ela em namoro (embora eu não iria pedir ela em namoro). Depois disso eu voutei pra sala de aula muito bravo e não olhei para ela nesse dia, e no outro dia e nos próximos e sempre vendo que ela ficava olhando para mim. E dois anos depois eu já em outra escola eu vejo ela denovo só que no recreio e vi que ela tinha me reconhecido depois eu fique sabendo que entrou uma menina nova na sala ao lado e depois de alguns dias fiquei sabendo que a mesma estava gostando de mim eu pleno como sempre fui direto nela no recreio e disse que eu só pensava nela no passado e que eu não ficaria com ela nem se vale-se 1 milhão de reais (se fosse esse o caso eu pensaria um pouco) depois ela foi chorando para as amingas dela e eu fique como o CORAÇÃO DE GELO.
PS: ela quebrou meu coração então pq não quebrar o dela?😊
submitted by AlfaAoExtremoOFICIL to u/AlfaAoExtremoOFICIL [link] [comments]


2020.02.10 15:30 KNWRV Escrevi esse conto e gostaria de um feedback

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.01.16 01:33 KNWRV O Funeral

Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to escrita [link] [comments]


2020.01.10 16:41 KNWRV Vejam oq vcs acham desse meu conto

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to Contos [link] [comments]


O PIOR PEDIDO DE NAMORO DO MUNDO!  The Sims 4 - YouTube MEU NAMORO ACABOU POR CAUSA DISSO #06 - The Sims 4 - YouTube THE SIMS 3 - NAMORADO e entrando na FACULDADE (Episódio 9) NPC's PEDINDO EM NAMORO & CASAMENTO  The sim 4  Mod ... PEDIDO DE NAMORO/The Sims Freeplay The Sims 3: O namoro Incorreto ! Como fazer sims adolescentes namorar PEDIDO DE NAMORO!  The Sims 4 Gatos e Cães #14 Minecraft : O MELHOR PEDIDO DE NAMORO !! - The Sims Craft ... ♥ Namoro VS Casamento - The Sims 2 ♥

最もエロい日本人女がここにはいる 10 – JavHD.net GadoTube.com

  1. O PIOR PEDIDO DE NAMORO DO MUNDO! The Sims 4 - YouTube
  2. MEU NAMORO ACABOU POR CAUSA DISSO #06 - The Sims 4 - YouTube
  3. THE SIMS 3 - NAMORADO e entrando na FACULDADE (Episódio 9)
  4. NPC's PEDINDO EM NAMORO & CASAMENTO The sim 4 Mod ...
  5. PEDIDO DE NAMORO/The Sims Freeplay
  6. The Sims 3: O namoro Incorreto !
  7. Como fazer sims adolescentes namorar
  8. PEDIDO DE NAMORO! The Sims 4 Gatos e Cães #14
  9. Minecraft : O MELHOR PEDIDO DE NAMORO !! - The Sims Craft ...
  10. ♥ Namoro VS Casamento - The Sims 2 ♥

Hoje eu trago para vocês o video react (vídeo reagindo) de uma animação de The Sims 4 (The Sims 4 Story) criada originalmente pela StreetSimmer. Canal da Str... ♥ Namoro VS Casamento - The Sims 2 ♥ Eduarda Castro. Loading... Unsubscribe from Eduarda Castro? Cancel Unsubscribe. Working... Subscribe Subscribed Unsubscribe 48.9K. The Sims 3 - COMPRANDO NOSSA NOVA CASA (Episódio 14) - Duration: 34:44. Renataps88 66,940 views. 34:44. Minecraft O Começo #1 Renata e Brandon - Duration: 22:53. 💏PEDIDO DE NAMORO💍/The Sims Freeplay Bella Sims FreePlay. Loading... Unsubscribe from Bella Sims FreePlay? Cancel Unsubscribe. Working... Subscribe Subscribed Unsubscribe 4.94K. PEDIDO DE NAMORO! The Sims 4 Gatos e Cães #14 Galáxia Azul. Loading... Unsubscribe from Galáxia Azul? Cancel Unsubscribe. Working... Subscribe Subscribed Unsubscribe 463K. 🏆 Seja MEMBRO do canal, ajude com o crescimento e tenha benefícios: https://www.youtube.com/channel/UCmHQTwCDU4J1vXmy5ljqlMA/join Id Origin: LUTECHIO ou #Luq... ♦ Sims 1 - Sims 2 - Sims 3 - Sims 4 : Baby Evolution - Duration: 11:03. The Red Plumbob Recommended for you. 11:03. forcing people to live in a 10 x 10 foot box - Duration: 14:04. Essa história explica o porque é errado namorar duas pessoas isso é errado e tambem milhares de pessoas namorando podem ter a mesma coisa do que essa históri... Meu instagram : https://www.instagram.com/vivileerhsen #opiorprogramadomundo Não esqueça de deixar um sarradão de like para poder ajudar, e de se inscrever n... Livro Authentic: http://bit.ly/LivroDoAuthentic Mais The Sims Craft Aqui:http://bit.ly/1rNPtCS Clique em (mostrar mais) Próximo Episódio: http://bit.ly/1rN...